Organize sua clínica em cinco semanas

Semana 1 – Elimine os papéis do consultório

Reserve a primeira semana do ano para “digitalizar” o consultório. Hoje, vários processos podem migrar para sistemas eletrônicos, otimizando a gestão e permitindo que o médico tenha mais tempo para os pacientes. Para isso, procure soluções que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), por possuírem integração com certificados digitais. Assim, receitas, prontuários, formulários e demais documentos podem ter apenas a versão digital.

Semana 2 – Tenha um sistema financeiro dedicado

Após digitalizar os documentos, faça o mesmo com a gestão financeira do consultório na segunda semana. Não é raro encontrar médicos que preenchem manualmente planilhas no computador ou utilizam até agendas de papel para registrarem a movimentação financeira. Busque um sistema eletrônico que automatize todos os processos e, de preferência, esteja integrado com o prontuário eletrônico.

Semana 3 – Enumere todas as despesas do consultório

Com uma nova solução para a gestão financeira, utilize a terceira semana para levantar – e incluir – todas as despesas mensais do consultório no sistema eletrônico. Tudo deve ser contabilizado: salários, fornecedores, equipamentos, contas a pagar e outros custos envolvidos. Dessa forma, é possível automatizar todos os relatórios de entrada e saída de dinheiro e agilizar a tomada de decisões.

Semana 4 – Marque presença na web

Atualmente é imprescindível que o consultório esteja presente na web e nas mídias sociais. Não é difícil criar uma página na internet, mas é preciso garantir que esteja visível ao público-alvo. Conceitos como SEO (Search Engine Optimization) e navegação responsiva precisam estar na base do site do consultório. Tire a quarta semana para fazer essa revisão ou, se for o caso, criar uma página da web para a sua marca.

Semana 5 – Aproxime-se dos pacientes

Por fim, utilize a quinta e última semana para estruturar canais de comunicação do consultório com os pacientes. O próprio prontuário eletrônico pode agilizar o atendimento, permitindo o agendamento de consultas e, em alguns casos, até o pagamento das mesmas. Utilize também as redes sociais para interagir e tirar dúvidas, como Whatsapp, Facebook e canal no Youtube. Isso permite que o atendimento seja o melhor antes, durante e depois da conversa entre médico e paciente.

4 passos para sua clínica marcar presença na web

Hoje, mais da metade das residências brasileiras possuem acesso à Internet, de acordo com o IBGE, e 45% das pessoas pesquisam sobre hospitais e consultórios na web, segundo a pesquisa Bupa Health Pulse, da London School of Economics. Os números reforçam a importância de médicos, clínicas e profissionais de saúde aumentarem seu posicionamento na Internet não apenas para se comunicar com os pacientes, mas também para organizar a própria gestão das clínicas. Confira os quatro passos para garantir sua presença na web:

Visibilidade em portais de busca: não basta ter um site; é preciso garantir que ele esteja visível ao público-alvo. Para isso, é necessário estar nas primeiras posições das páginas de busca. A melhor forma para isso é investir em Links Patrocinados, um serviço que garante que os sites apareçam nas primeiras posições de uma determinada busca por palavra-chave. Isso permite, por exemplo, que o site apareça na primeira página da busca, aumentando a chance do usuário clicar e visitar.

Conformidade com normas técnicas: a publicidade médica, mesmo em sites, blogs e redes sociais, precisa seguir estritas recomendações do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos (Codame). O médico não pode, por exemplo, insinuar a garantia de resultado em tratamentos em sua comunicação e até mesmo algumas expressões são vetadas. Portanto, é preciso elaborar uma forte estratégia nos seus principais canais digitais para evitar problemas futuros.

Site profissional: atualmente não é difícil criar um site sozinho, mas o médico precisa entender que a página deve estar adequada às melhores práticas de SEO (Search Engine Optimization) e também aos acessos de dispositivos móveis, como smartphones. Uma agência especializada levará esses detalhes em conta, além de garantir que o visual do site passe uma ideia de segurança, profissionalismo e confiança.

Integração com o prontuário eletrônico: o site não deve ser apenas um canal de comunicação com os pacientes, mas também deve auxiliar a gestão do consultório médico. A página precisa estar integrada com o prontuário eletrônico, permitindo que algumas ações sejam automatizadas, como o agendamento e até mesmo o pagamento de consultas. Isso permite que o médico dedique mais tempo às consultas e aos pacientes.

5 impactos do prontuário eletrônico no consultório médico

O prontuário eletrônico já é uma realidade nos consultórios médicos do Brasil: três quartos dos estabelecimentos de saúde já possuem algum tipo de sistema para registro de dados dos pacientes, de acordo com a Pesquisa TIC Saúde 2015. Contudo, são poucos os médicos que conseguem aproveitar todos os recursos dessa ferramenta tão importante: ainda segundo a mesma pesquisa, apenas 27% admitiram que a solução diminuiu a carga de trabalho. Quando bem utilizado, o prontuário eletrônico consegue transformar a rotina do consultório. Veja cinco impactos no dia-a-dia do médico:

Qualidade do atendimento: o prontuário eletrônico automatiza e agiliza procedimentos burocráticos que os médicos precisam realizar, como o registro do histórico do paciente, os documentos financeiros, as receitas, entre outros. Com uma solução tecnológica que faça esses serviços, os profissionais de saúde ficam com tempo livre para melhorarem os atendimentos aos pacientes.

Documentos digitalizados: sistemas eletrônicos que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), podem ter integração com certificados digitais. Assim, é possível eliminar os papéis e digitalizar todos os documentos do consultório, garantindo maior rapidez na busca por dados e informações.

Segurança dos dados do paciente: com a certificação, a assinatura digital do médico ganha validade jurídica e substitui os carimbos em todos os documentos. Aliado ao prontuário eletrônico na nuvem, o médico consegue aumentar a segurança da informação devido à organização e disposição dos dados, além de eliminar falhas na comunicação devido a problemas na caligrafia dos profissionais.

Controle sobre os processos da clínica: os softwares de gestão permitem reunir em uma única plataforma todas as informações úteis para a clínica, como o histórico de paciente, exames realizados, movimentação financeira, entre outros pontos. Dessa forma, o profissional consegue ter uma visão completa do que acontece no consultório e otimiza a tomada de decisões.

Informações na palma da mão: prontuários eletrônicos hospedados na nuvem podem ser acessados por qualquer dispositivo móvel que tenha acesso à Internet, oferecendo um maior conforto aos profissionais. É ideal, por exemplo, para os médicos que participam com frequência de congressos e feiras e precisam visualizar documentos ou até acessar dados clínicos de seus pacientes durante a viagem.

Sete exemplos de como a tecnologia pode facilitar a vida do médico

Quando se fala em tecnologia na área médica, logo vem à mente das pessoas as modernas máquinas de cirurgias e diagnósticos. De fato, elas ajudaram a aumentar a expectativa de vida da população mundial nas últimas décadas.

Porém, as soluções tecnológicas para profissionais de saúde não se restringem apenas ao tratamento de pacientes. Existem ferramentas que conseguem otimizar e automatizar a gestão de clínicas e consultórios, deixando o médico livre para fazer aquilo que mais sabe: cuidar das pessoas. Confira sete exemplos de como a tecnologia facilita a medicina em sua parte administrativa:

Informação unificada – com softwares de gestão, é possível reunir em uma única plataforma todas as informações úteis para a clínica, como o histórico de paciente, exames realizados, movimentação financeira, entre outros pontos. A medida agiliza o atendimento e melhora a prestação do serviço.

Prontuário Eletrônico – este recurso simplificou a gestão da saúde. Agora, os profissionais da área não perdem tempo no preenchimento de receitas, exames de pacientes, recibos e quaisquer documentos inerentes ao funcionamento do consultório. Resumindo: grande parte dos processos burocráticos pode ser automatizado.

Gerenciamento de e-mail e agenda – a integração da agenda com a caixa de e-mail do médico possibilita estreitar o relacionamento com os pacientes. O recurso permite enviar desde mensagens de confirmação de consulta até mesmo um e-mail marketing para ocasiões especiais, como aniversário.

Preenchimento de convênios – preencher os documentos das operadoras de planos de saúde era um dos pontos mais complexos da gestão de clínicas. Qualquer informação errada pode fazer com que o convênio não repasse o valor da consulta ao médico. Agora, existem softwares que automatizam esse processo, desburocratizando e reduzindo a chance de erro.

Presença digital – montar um site e expor na web os seus serviços não é exclusivo apenas de empresas do setor de comércio. Atualmente, os médicos podem – e devem – ter uma página de seu consultório na Internet para atraírem novos pacientes e, até mesmo, disponibilizar um agendamento online.

Acesso na palma da mão – antes, em caso de emergência, o médico precisa se deslocar até seu consultório para conferir o histórico de um paciente. Hoje a situação mudou: é possível acessar todos os dados de um simples aplicativo no smartphone.

Visibilidade em portais de busca – a tecnologia amplia o alcance do médico por conta das plataformas de busca. Páginas como o Google se tornaram a porta de entrada dos pacientes mais jovens na hora de pesquisar consultórios. Investir em Adwords e SEO faz com que o profissional apareça nas primeiras posições desse ranking e, assim, conquiste a atenção dos usuários.

Dez motivos para adotar tecnologia na gestão do consultório médico

Por Tiago Delgado *

As inovações tecnológicas não se restringem apenas ao setor de TI. Na era da Internet, todas as áreas se beneficiam com soluções que otimizam processos e facilitam a vida das pessoas. No caso da saúde não é diferente. Pesquisa da Phillips apresentada no evento SXSW 2015 mostra que sete em cada dez médicos em todo o mundo já utilizam sistemas online para a gestão de clínicas. Confira dez motivos para abandonar o papel no consultório e implementar novas soluções:

Otimização do espaço – sem arquivos grandes e de pastas suspensas, há um melhor uso dos ambientes do consultório. Além disso, representa economia: um metro quadrado em São Paulo, por exemplo, custa R$ 7 mil – dinheiro demais para ser gasto apenas com papeletas.

Segurança – os prontuários eletrônicos funcionam na nuvem, ou seja, não há o risco de perder um documento importante, como o histórico médico de um paciente ou guias de convênios.

Acesso remoto – o médico consegue visualizar informações sobre o paciente e a própria clínica por meio do celular ou tablet em qualquer lugar que tenha conexão com a Internet. Ideal para ter controle total do consultório sem precisar estar fisicamente nele, e também para casos de urgência e emergência.

Comunicação rápida – a plataforma consegue agilizar a comunicação com o paciente, enviando informações sobre consulta ou exames via e-mail ou SMS.

Agenda eficiente – com a lista de compromissos na nuvem, a secretária pode gerenciar de forma mais prática o horário do médico, permitindo remanejamentos para pacientes atrasados ou que precisem de atendimento urgente. Além de permitir o médico acessar sua agenda de qualquer lugar, inclusive pelo celular.

Compartilhamento – a troca de informações com outros profissionais da clínica é mais rápida e eficaz quando é feita pela Internet. A sincronia facilita a vida de pacientes que precisam de atendimento com vários especialistas, por exemplo.

Performance – a plataforma preenche automaticamente guias de convênios, recibos, entre outros documentos. Assim, a secretária ganha tempo para se dedicar a outras tarefas.

Barato – na ponta do lápis, o consumo de papel que um consultório possui com prontuários, fichas de exames e convênios é mais caro do que a contratação de um prontuário eletrônico.

Busca rápida – com as informações na nuvem, o médico e a secretária conseguem localizar uma informação de forma mais ágil do que procurando em fichas de arquivos de dez ou quinze anos atrás.

Imagem – por fim, ao utilizar recursos tecnológicos que ajudam indiretamente os pacientes, o consultório reforça a marca de organização que se preocupa com o cidadão, melhorando a imagem perante clientes e  stakeholders.

* Tiago Delgado é sócio-fundador da Medicina Direta, empresa especializada em serviços digitais para hospitais e consultórios médicos

Irish Work Permit: agora é a vez dos médicos

O Governo Irlandês vêm ha algum tempo incentivando o plano de aumentar as oportunidades de trabalho para profissionais não europeus. O projeto que já beneficiou a área de T.I agora deve gerar oportunidades também para outras áreas e começa a ganhar forma para médicos formados fora da União Europeia e que tenham interesse em exercer suas funções em hospitais da Irlanda.

A iniciativa do Departamento de Justiça e Igualdade com o Departamento de Empregos, Negócios e Inovação possibilita que médicos não europeus que recebam oferta de trabalho em hospitais públicos ou privados possam aplicar para o visto. A princípio pode ser concedido Stamp 1 para profissionais que irão exercer a função por até um ano. Cada caso, no entanto, será avaliado conforme o tempo de contrato. Já os médicos que possuem Stamp 4 podem ter o Work Permit renovado por mais dois anos.

Entre as exigências para esses profissionais está a aprovação no Pre-Registration Examination System (PRES), registrando-se no Conselho de Medicina da Irlanda. Além disso é preciso comprovar fluência na língua inglesa por meio do certificado IELTS. Como essa parte de aplicação do projeto envolve diferentes etapas ao longo de 2014, o governo lançou uma programação com as informações preliminares que podem ser conferidas na página do Irish Naturalisation and Immigration Service (INIS).

Há cinco anos a Irlanda começava um processo oposto limitando as contratações para estrangeiros, no entanto, a expansão de multinacionais e a necessidade de profissionais que dominem outro idioma além do inglês foi aliando-se à escassez de mão de obra qualificada em determinas áreas como tecnologia, saúde e engenharia. Reformulando as ações diante do novo cenário, o governo começou a abrir novamente as portas anunciando uma lista de atividades que ganharão novas oportunidades no mercado da Ilha.

Segundo dados oficiais o plano prevê a redução em mais 30% no tempo de aquisição do visto e pelo menos a duplicação da quantidade de vistos concedidos até o início do ano passado. Além dos médicos, outras profissões relacionadas à saúde como enfermagem, odontologia e farmácia devem ser beneficiadas em ações futuras.

Quem pode aplicar?
Deu uma olhada e a sua profissão está na lista que se beneficiará com os planos do governo irlandês? O próximo passo é ficar por dentro das principais exigências para aplicar para o visto.

– Podem aplicar para o visto de trabalho profissionais das áreas listadas que recebam o salário de 30 mil euros por ano.

– O profissional precisa ser contratado diretamente pela empresa, não servindo para a aplicação do Work Permit contratos por meio de agências de recrutamento ou intermediários.

– Ofertas com salário inferior ao exigido, de 30 mil Euros por ano, precisam estar dentro da seguinte exceção: Não-europeus graduados na Irlanda ou em outro país nos últimos doze meses e que tenham recebido uma oferta de trabalho em uma das áreas listadas.

– Qualquer empresa contratante deve estar legalmente registrada no “Revenue Commissioners” comprovando que o número de profissionais contratados que não fazem parte da União Europeia não ultrapassa 50% do quadro de funcionários.

Programa Mais Médicos: Bahia recebe 358 novos profissionais brasileiros

Pesquisa aponta que 90% dos profissionais brasileiros recomendam o Programa. Médicos com CRM Brasil assumem 92% das vagas do edital de expansão do Mais Médicos em 2015

A Bahia teve 92% da demanda dos municípios do edital 2015 do Programa Mais Médicos preenchida. Das 387 vagas, 358 foram ocupadas com os médicos que possuem registro no Brasil. Os médicos brasileiros que atuam no Mais Médicos estão altamente satisfeitos com a presença no Programa. É o que demonstra a pesquisa encomendada pelo Ministério da Saúde, em que 90% dos profissionais com CRM Brasil responderam que indicariam a participação para outros médicos. A avaliação dos entrevistados reforça os resultados obtidos com as inscrições para o edital deste ano. Nas três primeiras chamadas do Mais Médicos em 2015, 92% das vagas ofertadas em todo o país já foram preenchidas por profissionais com CRM Brasil. As vagas remanescentes serão abertas aos brasileiros formados no exterior a partir desta sexta-feira (10/4).

Acesse a apresentação do ministro

“Tivemos um resultado surpreendente e extremamente positivo. O preenchimento de 92% das vagas com médicos com CRM Brasil mostra a consolidação do Mais Médicos. A adesão indica de que o programa tem qualidade, que os participantes brasileiros, além de satisfeitos com a participação, já estão indicando a outros profissionais. Mesmo locais com difícil acesso e com consequente dificuldade de provimento, tiveram alta taxa de preenchimento”, destacou o ministro da Saúde, Arthur Chioro.

Essa é a segunda pesquisa de opinião apresentada pelo Ministério da Saúde sobre as avaliações dos profissionais que atuam pelo Mais Médicos. O levantamento foi feito pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em parceria com o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe). Ao todo, foram realizadas 391 entrevistas nas cinco regiões do país com médicos do Programa, no período de 17 a 23 de novembro de 2014.

Além do elevado potencial de recomendação, quase a totalidade dos médicos brasileiros entrevistados (93%) afirmaram estar satisfeito ou muito satisfeito com a participação no Programa. O contentamento com a supervisão também foi alto. Os médicos deram, em média, nota 9,3 para seu relacionamento com o supervisor. Essa constatação dos profissionais da seriedade e legalidade do Mais Médicos ratifica o aumento de interesse dos candidatos com diplomas do Brasil em atuar no Mais Médicos.

No total, das 4.146 oportunidades disponíveis em 1.294 municípios e 12 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI), 3.830 já foram ocupadas por médicos CRM Brasil. Em relação às cidades, 1.088 (84%) municípios e três distritos indígenas já atraíram médicos para ocupar integralmente as vagas nas unidades básicas de saúde. Até o momento, 120 (9%) tiveram a solicitação parcialmente atendida e 77 (6%) localidades ainda não conseguiram atrair nenhum médico.

Dos médicos em atividade, 3.155 médicos são das duas primeiras chamadas e chegaram às cidades em março. Os outros 675 foram alocados na terceira seleção. Esses profissionais começaram a se apresentar no início desta semana e os gestores locais têm até esta quinta-feira (9) para homologar a presença deles em 402 municípios.

O Nordeste foi a região que mais atraiu profissionais: das 1.799 oportunidades ofertadas aos médicos, 1.726 (95%) vagas já foram ocupadas. O Sudeste conseguiu ocupar 975 (95%), das 1.022 vagas disponíveis, seguido do Centro-Oeste, que preencheu 370 (93%) das 396 oportunidades, do Sul, que atraiu médicos para 476 (91%) vagas das 520 disponíveis e o Norte que ocupou 283 (69%) vagas das 409 oportunidades. Os distritos indígenas já ocuparam 13 (37%) das 35 vagas ofertadas aos médicos. Dentre os estados, 20 já preencheram mais de 90% das vagas e três deles (Amapá, Distrito Federal e Sergipe) sua totalidade. O Amazonas foi o estado com menor percentual de ocupação por candidatos CRM Brasil (60%).

PRÓXIMAS ETAPAS – As 286 vagas remanescentes estarão disponíveis entre 10 e 20 de abril para os brasileiros formados no exterior. Caso tenham a inscrição validada, os candidatos escolherão os municípios nos dias 29 e 30 de abril. Persistindo vagas, médicos estrangeiros poderão se inscrever no programa entre 5 e 15 de maio. O módulo de acolhimento para os profissionais está previsto para 8 de junho e o início das atividades nos municípios começa a partir do dia 7 de julho.

Confira as vagas disponíveis para brasileiros formados no exterior

Entre as 197 cidades e nove distritos indígenas com vagas restantes, a maioria está na região Norte. São 109 postos em 51 municípios, além de sete DSEIs. O Nordeste também tem 51 cidades e um distrito indígena com oportunidades, porém estão disponíveis 66 vagas. A região Sudeste, com 44 oportunidades, Sul (43) e Centro-Oeste (24) completam as vagas a serem preenchidas.

A previsão é que a cada trimestre o Ministério da Saúde lance novas chamadas para os postos em aberto.  As seleções contemplarão as vagas referentes aos médicos que desistirem nas etapas anteriores e as cidades que não conseguirem aderir ao programa pela ausência de capacidade instalada. Até o momento, nove municípios abdicaram de 30 vagas.

PERFIL DOS PROFISSIONAIS – A maioria (68%) dos médicos CRM Brasil optou pelo benefício da pontuação de 10% nas provas de residência médica, caso tenha conceito satisfatório durante os 12 meses de atuação no programa. Já os benefícios do Mais Médicos foi a escolha de 32% dos candidatos. Além disso, 51,6% têm experiência em Saúde da Família e 12,2% foram bolsistas do Programa de Educação pelo Trabalho (PET) Saúde.

“A participação de médicos com CRM Brasil também aponta para a mudança da formação médica no país. A vivencia na Saúde da Família fará do médico, mesmo que opte por uma outra especialidade, um profissional com visão mais global da saúde, a visão de quem já fez atenção básica, onde se resolvem 80% dos problemas de saúde. Muitos deles vão se realizar como médico de família e comunidade e seguirão nessa especialidade”, acrescentou o secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Heider Pinto.

As mulheres são maioria entre os novos participantes do Programa, representando 54% dos médicos selecionados. Enquanto 78% dos participantes que passam a atuar na atenção básica são solteiros. As pessoas entre 26 e 30 anos são a faixa etária com a maior presença (55%) entre os profissionais alocados.

Até 2014, 14.462 médicos foram enviados para 3.785 municípios, beneficiando 50 milhões de pessoas. Com a ocupação das 4.146 vagas apontadas pelos municípios no novo edital, o Governo Federal garantirá em 2015 a permanência de 18.247 médicos nas unidades básicas de saúde de todo o país, levando assistência para aproximadamente 63 milhões de pessoas. Serão 4.058 municípios beneficiados, 72,8% de todas as cidades do Brasil, além dos 34 distritos indígenas.