Utilize a tecnologia em seu consultório: aproveite todos os recursos de um prontuário eletrônico a seu favor

Um bom sistema de prontuário eletrônico não constrói clínicas de sucesso, ele apenas as revelam. Tanto que computadores e prontuários eletrônicos já fazem parte do ambiente de trabalho em consultórios. Contudo, poucos médicos utilizam esses recursos com frequência para otimizar e melhorar seu trabalho. Dados da Pesquisa TIC Saúde indicam que 61% dos profissionais de saúde utilizam o computador durante a consulta, mas esse número cai para 50% quando perguntado se eles utilizam para além do atendimento. Ou seja, metade abre mão destas tecnologias em sua gestão.

É um desperdício utilizar o prontuário eletrônico “apenas” para armazenar dados cadastrais ou, no máximo, arquivar o histórico clínico. Na verdade, são apenas os dois primeiros passos. Com uma solução na nuvem e as informações disponíveis em qualquer local, é possível aproveitar este serviço em outras áreas, permitindo que o profissional de saúde tenha tempo para se dedicar ao que realmente importa: o atendimento com qualidade de seus pacientes.

Confira alguns pontos que impactam diretamente a eficiência de uma clínica:

Agenda inteligente: com os dados de cadastro e contato da pessoa, é possível automatizar o processo de agendamento de consultas. O prontuário eletrônico pode se integrar ao site e à caixa de e-mail da clínica, permitindo que a pessoa agende um horário de forma online e que um e-mail seja enviado de maneira automatizada pelo sistema para confirmar para o paciente o horário e o endereço agendado.

Gestão financeira completa: os médicos ainda costumam realizar a gestão de suas receitas de forma manual ou, no máximo, com a ajuda de uma planilha simples no computador. Um bom prontuário eletrônico consegue automatizar essa dinâmica e, além disso, ajuda no preenchimento dos documentos das operadoras de planos de saúde, diminuindo a chance de erro e garantindo o pagamento.

Eliminação do papel: a solução também pode substituir e eliminar os documentos em papel no consultório. De acordo com a resolução 1821/07 do CFM (Conselho Federal de Medicina, apenas prontuários que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), podem substituir o papel na área médica – justamente a categoria que permite a integração com certificado digital. Assim, todos os documentos podem ser registrados, assinados e armazenados no meio eletrônico.

Mobilidade: se o prontuário eletrônico estiver hospedado na nuvem, ele pode ser acessado por qualquer dispositivo com acesso à Internet. Isso permite que o médico possa ver o histórico de um paciente, o receituário, dados financeiros, entre outros, enquanto está viajando ou participando de um congresso, por exemplo.

Segurança dos dados dos pacientes: deixar o histórico do paciente em arquivos físicos não é o meio mais seguro de preservá-los. Além da nuvem, o prontuário eletrônico que atende os requisitos exigidos pelo CFM consegue garantir a segurança da informação no mundo digital graças à organização e disposição dos dados, além de eliminar falhas na comunicação devido a problemas na caligrafia dos profissionais.

O uso do prontuário eletrônico em clínicas e consultórios realmente veio para ficar.7

Cloud-first: como incorporar esse conceito em seu consultório

Aplicativos de celulares, prontuário eletrônico e contas de e-mail. Hoje é impensável uma clínica médica não utilizar um serviço de computação em nuvem. A praticidade, a segurança e a facilidade de acesso são alguns pontos que explicam porque essas soluções ganham espaço na rotina médica. Tanto que a tendência é o consultório pensar, cada vez mais, em cloud-firstem seu dia a dia.

O conceito é amplamente utilizado no mundo corporativo e remete à importância que o cloud computing possui na estratégia das empresas. Com o crescimento na área da saúde, passou a ser utilizado em hospitais, consultórios e clínicas. A pesquisa Healthcare Cloud Computing Outlook, da Frost & Sullivan, indica que o mercado global da computação em nuvem na medicina deve valer mais de U$ 10 bilhões até 2021. Confira quatro passos para o consultório também ser cloud-first:

Mude a cultura: é necessário mudar a forma como médicos e profissionais de saúde enxergam a nuvem para que essas soluções ganhem destaque e assumam posições estratégicas no consultório. As pessoas precisam se acostumar com o cloud computing, facilitando a busca por novos serviços e utilizando todos as funções que podem trazer para o dia a dia de todos os colaboradores.

Descomplique: a mudança para a nuvem não precisa ser radical. Comece com áreas menos importantes, como serviços de e-mail e de agenda, para depois investir em soluções mais robustas e estratégicas, como prontuários eletrônicos que atendem os requisitos do CFM (Conselho Federal de Medicina) e conseguem digitalizar todos os documentos do consultório.

Mensure os benefícios: depois que implementar as soluções, é essencial mensurar os benefícios que a nuvem trouxe para a rotina médica. Analise tudo: tempo utilizado para gestão do consultório, quantidade de dados colocados na nuvem, serviços automatizados, entre outros pontos. Com esses números é fácil identificar o que foi melhorado e o que ainda pode ser otimizado.

Busque as melhores soluções: por fim, mantenha-se atualizado sobre as melhores soluções de cloud computing para o consultório médico. Pesquise e saiba quais as novidades do mercado e quais funcionalidades elas podem trazer para sua rotina. Ao fazer isso, o médico consegue comparar preços e produtos, identificando o que realmente vai agregar em seu trabalho.

O seu consultório já é digital?

De acordo com dados da Pesquisa TIC Saúde 2016, divulgada em novembro de 2017, 61% dos médicos utilizam regularmente o computador para o atendimento dos pacientes, mas apenas 50% aproveitam a ferramenta para outros assuntos referentes ao funcionamento de seu local de trabalho. Ou seja: metade ainda se recusa a utilizar soluções digitais para além do nível mais básico de atendimento.

Esse número é explicado pelo próprio receio que os profissionais de saúde possuem diante de novos recursos que surgem todos os anos. Ferramentas inovadoras exigem um período de adaptação para entendê-las e usufruir o que elas podem oferecer de melhor. Até lá, é natural surgirem problemas que o médico não está acostumado a resolver. Portanto, ele precisa estar disposto a enfrentar essas dificuldades se quiser, de fato, “digitalizar” e melhorar a gestão de seu consultório.

A primeira mudança necessária é a eliminação do papel, deixando que todos os documentos sejam digitais e possibilitando seu acesso na nuvem. Para isso, procure soluções que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), por possuírem integração com certificados digitais. Receitas, prontuários, formulários e demais documentos terão apenas a versão digital.

Depois, é preciso utilizar essas ferramentais digitais para se aproximar de seus pacientes. Ter um site responsivo na Internet é fundamental para marcar presença na web. Contudo, o consultório deve utilizar outras ferramentas de comunicação, como o próprio prontuário eletrônico para agendar consultas online e disparar e-mails, além do trabalho em redes sociais, como WhatsApp, Facebook e Youtube.

Por mais acostumado que o médico esteja com sua rotina, atualmente ele precisa otimizar seu consultório para poder dedicar mais tempo naquilo que ele sabe fazer de melhor: atender seus pacientes com qualidade. Assim, “digitalizar” o consultório deixou de ser um artigo de luxo para se transformar em diferencial estratégico na área de saúde.

Organize sua clínica em cinco semanas

Semana 1 – Elimine os papéis do consultório

Reserve a primeira semana do ano para “digitalizar” o consultório. Hoje, vários processos podem migrar para sistemas eletrônicos, otimizando a gestão e permitindo que o médico tenha mais tempo para os pacientes. Para isso, procure soluções que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), por possuírem integração com certificados digitais. Assim, receitas, prontuários, formulários e demais documentos podem ter apenas a versão digital.

Semana 2 – Tenha um sistema financeiro dedicado

Após digitalizar os documentos, faça o mesmo com a gestão financeira do consultório na segunda semana. Não é raro encontrar médicos que preenchem manualmente planilhas no computador ou utilizam até agendas de papel para registrarem a movimentação financeira. Busque um sistema eletrônico que automatize todos os processos e, de preferência, esteja integrado com o prontuário eletrônico.

Semana 3 – Enumere todas as despesas do consultório

Com uma nova solução para a gestão financeira, utilize a terceira semana para levantar – e incluir – todas as despesas mensais do consultório no sistema eletrônico. Tudo deve ser contabilizado: salários, fornecedores, equipamentos, contas a pagar e outros custos envolvidos. Dessa forma, é possível automatizar todos os relatórios de entrada e saída de dinheiro e agilizar a tomada de decisões.

Semana 4 – Marque presença na web

Atualmente é imprescindível que o consultório esteja presente na web e nas mídias sociais. Não é difícil criar uma página na internet, mas é preciso garantir que esteja visível ao público-alvo. Conceitos como SEO (Search Engine Optimization) e navegação responsiva precisam estar na base do site do consultório. Tire a quarta semana para fazer essa revisão ou, se for o caso, criar uma página da web para a sua marca.

Semana 5 – Aproxime-se dos pacientes

Por fim, utilize a quinta e última semana para estruturar canais de comunicação do consultório com os pacientes. O próprio prontuário eletrônico pode agilizar o atendimento, permitindo o agendamento de consultas e, em alguns casos, até o pagamento das mesmas. Utilize também as redes sociais para interagir e tirar dúvidas, como Whatsapp, Facebook e canal no Youtube. Isso permite que o atendimento seja o melhor antes, durante e depois da conversa entre médico e paciente.

4 passos para sua clínica marcar presença na web

Hoje, mais da metade das residências brasileiras possuem acesso à Internet, de acordo com o IBGE, e 45% das pessoas pesquisam sobre hospitais e consultórios na web, segundo a pesquisa Bupa Health Pulse, da London School of Economics. Os números reforçam a importância de médicos, clínicas e profissionais de saúde aumentarem seu posicionamento na Internet não apenas para se comunicar com os pacientes, mas também para organizar a própria gestão das clínicas. Confira os quatro passos para garantir sua presença na web:

Visibilidade em portais de busca: não basta ter um site; é preciso garantir que ele esteja visível ao público-alvo. Para isso, é necessário estar nas primeiras posições das páginas de busca. A melhor forma para isso é investir em Links Patrocinados, um serviço que garante que os sites apareçam nas primeiras posições de uma determinada busca por palavra-chave. Isso permite, por exemplo, que o site apareça na primeira página da busca, aumentando a chance do usuário clicar e visitar.

Conformidade com normas técnicas: a publicidade médica, mesmo em sites, blogs e redes sociais, precisa seguir estritas recomendações do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos (Codame). O médico não pode, por exemplo, insinuar a garantia de resultado em tratamentos em sua comunicação e até mesmo algumas expressões são vetadas. Portanto, é preciso elaborar uma forte estratégia nos seus principais canais digitais para evitar problemas futuros.

Site profissional: atualmente não é difícil criar um site sozinho, mas o médico precisa entender que a página deve estar adequada às melhores práticas de SEO (Search Engine Optimization) e também aos acessos de dispositivos móveis, como smartphones. Uma agência especializada levará esses detalhes em conta, além de garantir que o visual do site passe uma ideia de segurança, profissionalismo e confiança.

Integração com o prontuário eletrônico: o site não deve ser apenas um canal de comunicação com os pacientes, mas também deve auxiliar a gestão do consultório médico. A página precisa estar integrada com o prontuário eletrônico, permitindo que algumas ações sejam automatizadas, como o agendamento e até mesmo o pagamento de consultas. Isso permite que o médico dedique mais tempo às consultas e aos pacientes.

5 impactos do prontuário eletrônico no consultório médico

O prontuário eletrônico já é uma realidade nos consultórios médicos do Brasil: três quartos dos estabelecimentos de saúde já possuem algum tipo de sistema para registro de dados dos pacientes, de acordo com a Pesquisa TIC Saúde 2015. Contudo, são poucos os médicos que conseguem aproveitar todos os recursos dessa ferramenta tão importante: ainda segundo a mesma pesquisa, apenas 27% admitiram que a solução diminuiu a carga de trabalho. Quando bem utilizado, o prontuário eletrônico consegue transformar a rotina do consultório. Veja cinco impactos no dia-a-dia do médico:

Qualidade do atendimento: o prontuário eletrônico automatiza e agiliza procedimentos burocráticos que os médicos precisam realizar, como o registro do histórico do paciente, os documentos financeiros, as receitas, entre outros. Com uma solução tecnológica que faça esses serviços, os profissionais de saúde ficam com tempo livre para melhorarem os atendimentos aos pacientes.

Documentos digitalizados: sistemas eletrônicos que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), podem ter integração com certificados digitais. Assim, é possível eliminar os papéis e digitalizar todos os documentos do consultório, garantindo maior rapidez na busca por dados e informações.

Segurança dos dados do paciente: com a certificação, a assinatura digital do médico ganha validade jurídica e substitui os carimbos em todos os documentos. Aliado ao prontuário eletrônico na nuvem, o médico consegue aumentar a segurança da informação devido à organização e disposição dos dados, além de eliminar falhas na comunicação devido a problemas na caligrafia dos profissionais.

Controle sobre os processos da clínica: os softwares de gestão permitem reunir em uma única plataforma todas as informações úteis para a clínica, como o histórico de paciente, exames realizados, movimentação financeira, entre outros pontos. Dessa forma, o profissional consegue ter uma visão completa do que acontece no consultório e otimiza a tomada de decisões.

Informações na palma da mão: prontuários eletrônicos hospedados na nuvem podem ser acessados por qualquer dispositivo móvel que tenha acesso à Internet, oferecendo um maior conforto aos profissionais. É ideal, por exemplo, para os médicos que participam com frequência de congressos e feiras e precisam visualizar documentos ou até acessar dados clínicos de seus pacientes durante a viagem.

5 dicas para organizar a gestão de clínica em 2016

Viajar, estudar e levar uma vida mais saudável são apenas algumas das promessas que as pessoas costumam fazer no início do ano.

Criar uma lista de resoluções com desejos e compromissos já faz parte do imaginário popular, mas pode ser muito útil para médicos em 2016.

Quando o assunto é gestão de clínicas e consultórios, a grande maioria dos profissionais de saúde fica apenas na vontade de melhorar a administração de seus locais de trabalho. Porém, com ajuda da tecnologia, é possível avançar nesta questão. Confira uma lista com dicas para otimizar a gestão em 2016:

1. Use a tecnologia à seu favor: Com o mundo cada vez mais conectado, é imprescindível que o médico também esteja. O prontuário eletrônico já é uma realidade e se transformou na principal ferramenta de gestão para clínicas e consultórios. Afinal, uma mesma solução digital permite, entre outras situações, visualizar o histórico de um paciente, controlar pagamentos e recebimentos e até realizar o agendamento online de consultas.

2. Cuide de seus e-mails: Ninguém gosta de receber e responder muitos e-mails, mas este recurso permite ao profissional de saúde estreitar o relacionamento com seus pacientes e fornecedores, evitando desgaste. O bom gerenciamento do e-mail permite confirmar a consulta com um dia de antecedência e confirmar pedidos e pagamentos.

3. Tenha ferramentas de controle financeiro: Cuidar das finanças é um item básico para qualquer empresa. Porém, médicos não são formados em Administração e acabam escorregando justamente nesta questão: Muitos profissionais nem sabem quanto têm direito a receber de convênios, por exemplo. Aqui, o ideal é recorrer novamente à tecnologia para não se perder nos custos e recebimentos.

4. Otimize o espaço físico: Aproveite o novo ano para dar adeus aos arquivos e papéis acumulados dos últimos anos. O crescimento do cloud computing permite que os médicos virtualizem seus documentos e joguem tudo para a nuvem. Dessa forma, o acesso estará sempre a um clique de qualquer computador com acesso à Internet e o consultório ganha um espaço maior para melhorar o atendimento ao paciente.

5. Integre os profissionais: Por fim, a boa gestão de uma clínica ou consultório passa pela união de todos os profissionais que trabalham no local, como médicos, enfermeiros e secretárias. Com uma comunicação rápida entre todos e a definição clara do papel de cada um, há uma maior sinergia e eficiência no cotidiano.

Guia para credenciamento em plano de saúde: Um manual prático para redes de credenciamento

Guia para credenciamento em plano de saúde: Um manual prático para redes de credenciamento

Atualmente o cadastramento em redes de credenciamento pode se tornar uma experiência longa, complexa e frustrante na vida de muitos médicos.

Há quem inclusive recorra às empresas especializadas em credenciamento para organizar e enviar toda a documentação.

Mas, apesar de todas os desafios, o credenciamento continua sendo uma excelente opção para quem está chegando ao mercado com o próprio consultório médico e deseja expandir seu número de pacientes.

 

Como posso me credenciar a um plano de saúde? Como credenciar minha clínica? Posso ser credenciado a mais de uma operadora? Como posso atender ao SUS?

 

Apresentamos um guia prático com todo o necessário para tornar esse processo o mais simples possível:

 

Em que consiste o credenciamento médico?

O credenciamento consiste na inclusão da pessoa física ou pessoa jurídica que presta serviços de saúde na lista da rede credenciada disponível para atendimento dos pacientes que utilizam a operadora de saúde.

 

Como é feito o credenciamento?

É necessário entrar em contato direto com o plano de saúde ou convênio e seguir as instruções oferecidas por eles.

 

Geralmente, é realizado o preenchimento de uma ficha que formaliza o interesse, a elaboração de uma carta solicitando o credenciamento e descrevendo os serviços oferecidos pelo consultório e os equipamentos disponíveis e, em seguida, análise dos documentos legais do consultório pela operadora.

No caso de cooperativas, o processo pode ser diferente, incluindo uma prova de seleção.

Doctor working on a laptop

Quais os documentos necessários para o cadastro de Pessoa Física (PF)?

Para o profissional que deseja credenciar-se a um plano de saúde, existe uma lista relativamente grande de documentos necessários, podendo variar ainda de operadora para operadora.

Confira a lista dos documentos mais comuns pedidos pelas operadoras:

 

  • Inscrição do Cadastro de Constituintes Mobiliários (CCM) ou Imposto Sobre Serviço (ISS)junto à prefeitura;
  • Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES);
  • Certificado atualizado de inscrição da entidade junto ao Conselho Regional de Medicina (CRM);
  • Alvará da Vigilância Sanitária atualizado;
  • Alvará de funcionamento atualizado;
  • Currículo, diploma, CPF e título de especialista do responsável técnico;
  • CRM ou crédito do responsável técnico;
  • Comprovante da conta bancária;
  • Dados do local de atendimento.

Quais os documentos necessários para o cadastro de Pessoa Jurídica (PJ)?

No caso de clínicas que possuem o Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ), a lista é um pouco diferente:

  • Contrato social ou ata de constituição;
  • Última ata de reunião ou alteração contratual;
  • Cartão do CNPJ atualizado;
  • Inscrição do CCM ou ISS junto à prefeitura;
  • CNES;
  • Comprovante do último pagamento do ISS;
  • Comprovante do último pagamento da Taxa de Fiscalização de Estabelecimento;
  • Certificado de inscrição da entidade junto ao CRM atualizado;
  • Alvará da vigilância Sanitária atualizado;
  • Alvará de funcionamento atualizado;
  • Currículo, CPF, diploma e título de especialista do responsável técnico;
  • CRM ou crédito do responsável técnico;
  • Relação do corpo clínico;
  • Comprovante de conta bancária.

Há algum limite de credenciamento pelo médico?

Como estabelecido pela Medida Provisória nº2.177-44/01 o médico ou sua clínica podem fazer parte de quantas redes credenciadas desejam, sendo proibido que as operadoras de saúde imponham contratos de exclusividade.

No entanto, o médico deve ficar atentos para escolher operadoras bem avaliadas e que não apresentem irregularidades legais, sendo importante conferir se problemas com reembolsos e faturamento são comuns ou se os médicos da rede se sentem pressionados para reduzir o número de exames, por exemplo.

Há algum limite de credenciamento pela operadora?

A adesão dos médicos à operadora deve ser voluntária e ilimitada, a menos que haja alguma impossibilidade técnica de prestação de serviços.

 

A definição de impossibilidade técnica pelas operadoras, no entanto, costuma ser ampla, reduzindo o número de pedidos de credenciamento aprovados.

Há casos de médicos inclusive que recorreram ao sistema judiciário para serem aprovados.

medical-doctor-salary

Como é regulada a relação do consultório com a operadora de saúde?

A regulação deve seguir o estipulado em contrato escrito, como determinado pela Lei 13.003/14, no caso de pessoas físicas ou jurídicas credenciadas, contratadas ou referenciadas.

O contrato deve ser claro, descrever todos os serviços contratados, definir os critérios de pagamento e de reajuste e expressar os direitos, as obrigações e as responsabilidades de cada parte, assim como as penalidades pelo não cumprimento dessas.

medico_assinando_documento

É necessário renovar o credenciamento?

 

Sim, quando o contrato com a operadora chega ao fim ou quando a atividade, a razão social ou o Cadastro de Contribuintes Mobiliários do consultório sofre alguma alteração.

Como é feito o credenciamento para trabalhar no Serviço Único de Saúde?

Para atender pacientes do SUS, o credenciamento é por meio de edital público com duração de dois anos, podendo ser renovado ao final do período.

O médico credenciado ao SUS não é considerado funcionário público, atendendo em seu próprio consultório. É necessário ofertar pelo menos 30 consultas (ou exames) mensalmente, exceto no período de férias.

 

Dica

Cada plano e convênio tem seu processo de credenciamento específico.

Portanto, é importante conhecer os procedimentos específicos de cada um deles e, neste momento, conversar com alguns colegas de profissão a respeito de como funciona este processo pode ser de grande ajuda.

Além de ajudar quanto ao processo, outros médicos poderão ajudá-lo a escolher uma rede que seja mais adequado para o seu momento de carreira e objetivos profissionais.

 

Tem alguma dúvida quanto às redes de credenciamento? Deixe sua pergunta ou comentário abaixo!

Mantenha em alta sua lucratividade mesmo em tempos de crise.

Uma das mais complexas atividades de médicos, seja no Brasil ou fora, é conciliar a gestão da saúde de seus pacientes, com a gestão interna de seu consultório. Conciliar o exercício da medicina com o de empresário nem sempre é fácil. Alguns médicos têm reais dificuldades na gestão de suas clínicas e consultórios, passando por grandes desafios, mesmo dispondo de sectárias ou assistentes que possam contribuir com sua gestão

Selecionamos algumas dicas de gestão para você organizar sua clínica e garantir a lucratividade nos negócios.

Equipe

Sua equipe é seu cartão de visita. O primeiro contato do seu paciente nem sempre será com você. Ele passa pelo atendimento de telefonistas, secretárias, enfermeiras e outros profissionais que são essenciais para a imagem da clínica. Um ótimo atendimento vai do contato telefônico ao diagnóstico.

Seus Pacientes

Conheça seu público e compreenda que seus pacientes vêm em primeiro lugar. Saiba o histórico de cada um através do seu prontuário e crie uma relação de confiança.

Plano Financeiro

Antes de tudo, é importante você ter um bom plano financeiro. Desde o início, encare sua clínica como uma empresa. Tenha disciplina para controlar ganhos e despesas e meça o que é realmente essencial para a sobrevivência da sua clínica.

Operar sem esse controle é um grande risco, principalmente em períodos de crise. Saiba quais são os custos e as receitas, entenda o fluxo de caixa e separe suas contas pessoais das contas empresariais.

 

Busque Feedback

Sempre aprendemos com o que os outros falam sobre nossa empresa. Busque feedbacks, a opinião da sua equipe e dos seus clientes é fundamental. Pergunte sobre o espaço, sobre atendimento e tratamento.

Flexibilidade na rotina e seriedade no empreendimento são fundamentais para sua clínica manter-se ativa mesmo em tempos de crise.

5 erros para não cometer na sua clínica ou consultório.

Conheça os 5 principais erros para NÃO cometer em sua clínica ou consultório e conquistar o sucesso!

Foto Medicina Direta 5 erros para não cometer em seu consultório

Muitos são os erros que algumas clínicas cometem ao deixar pequenos detalhes passarem despercebidos. Isso muitas vezes pode resultar em perdas de clientes, desapontamento ou desmotivação dos funcionários  e até um problema com os próprios sócios caso a clínica seja dividida entre dois ou mais profissionais da saúde.

Com isso, trazemos para você algumas dicas simples, mas que podem te ajudar muito no seu dia-a-dia dentro da sua empresa. Confira abaixo os 5 erros para não cometer na sua clínica ou consultório:

#1 – Cuide da Limpeza dos locais.

Nada pior em um estabelecimento que cuida da saúde dos seus pacientes estar completamente sujo ou mal limpo. Como o próprio ditado diz “a primeira impressão é a que fica”, então nada melhor que deixar sempre o seu ambiente da sala de espera impecável e agradável aos seus pacientes.

Alguns utensílios que podem ser usados para melhorar ainda mais o ambiente, os odorizadores automáticos (que a cada X minutos libera a fragrância) ou em forma de varetas podem ser uma alternativa interessante a ser considerada.

O que também auxilia bastante na manutenção e conservação da limpeza é você expor algumas placas indicando onde fica o lixo, copos e papéis para a secagem das mãos. Alguns pacientes deixam de fazer esta conservação do ambiente devido à falta de informação.

#2 – Demora no atendimento.

Deixe uma folga entre os pacientes (que esta seja de 5 minutos) para que você consiga se preparar para o próximo que irá entrar e também para poder gerenciar melhor os que passam um pouco do horário. Além de você ganhar a confiança do seu paciente por ser pontual, ganhará também elogios quando o mesmo for questionado sobre o seu comportamento (seja em redes sociais ou para indicação profissional).

Alguns profissionais podem ter uma ideia de que se deixar o seu consultório com uma pequena fila de espera, pode “soar melhor” para os outros pacientes, pois é sinal de um fluxo maior de pessoas. Essa afirmação não é verdadeira, visto que em tempos em que as redes sociais estão cada vez mais fortalecidas e acessíveis a todas as classes os comentários negativos podem vir quase que instantaneamente.

#3 – Wifi, Ar Condicionado, Revistas e Jornais desatualizados.

Muito já se falou sobre o assunto e até virou piada por alguns comediantes sobre revistas e jornais desatualizados em salas de espera sejam de quaisquer estabelecimentos. Muito é verdade que alguns não se importam muito com este quesito, porém faz muita diferença em uma pesquisa de satisfação. O momento em que o cliente está na sala de espera, é o momento em que ele deve relaxar para aguardar sua consulta. Esta hora pode ser crucial para a avaliação das instalações e também no julgamento do que é oferecido para ele. Estar com revistas e jornais atualizados, faz ele se interessar por outra coisa a não ser ficar de olho no relógio, contribuindo assim para o bem-estar do mesmo.

Ar condicionado, wifi, café e água também auxiliam no bem-estar do seu cliente. Faz ele se sentir mais bem recebido e mostra que você se importa com ele. O Wifi a maioria das clínicas já disponibilizam (e se você não o faz deveria se preocupar com este detalhe), porém não aproveitam este recurso. Muitas vezes uma plaquinha descontraída pedindo para o seu paciente fazer um “check in” na sua clínica, pode ajudar na divulgação do seu estabelecimento.

Saiba aqui mais dicas de como aumentar o numero de pacientes da sua clinica sem maiores investimentos em Marketing!

#4 – Salas de espera inadequadas.

Basicamente, este erro é uma junção de todos os outros acima. Algumas clínicas e consultórios não pensam muito bem no layout da sua sala de espera e muito menos no bem estar de quem irá usá-la.

Antes de planejar sua clínica ou consultório, pense com carinho na sala de espera, afinal ela é a porta de entrada do seu maior bem: seus clientes.

#5 – Profissionais despreparados/desqualificados

Você pode ter a estrutura perfeita para o atendimento do seu cliente, mas pecar na hora da seleção dos profissionais que irão trabalhar na sua clínica ou consultório. Temos um post dedicado a este tema, que trás dicas para selecionar melhor os profissionais que irão trabalhar na sua clínica e como gerenciá-los, de uma olhada neste conteúdo, pode te ajudar bastante!

Após a contratação é necessário manter este profissional motivado e qualificado. O interessante é tentar criar no seu negócio um clima agradável para que todos trabalhem de maneira respeitosa e com foco. Uma maneira interessante de manter o clima organizacional com altos níveis de qualidade é realizar ações com o seus funcionários para que eles interajam entre si visando que as relações sejam estreitadas. Uma comemoração dos aniversariantes do mês ou metas atingidas, por exemplo, podem virar motivo de integração entre os funcionários.

Mais uma dica interessante que podemos ressaltar para finalizar é a qualificação. Vários sites oferecem cursos grátis e a distância que podem ser feitos a qualquer hora pelos seus colaboradores. Abaixo segue o link de um curso grátis oferecido pelo Sebrae sobre atendimento ao cliente, que pode ser feito pelas recepcionistas da sua clínica ou consultório:

Curso de Atendimento ao Cliente – Sebrae