Cinco serviços que o prontuário eletrônico agiliza na rotina médica

Novidade há alguns anos, os prontuários eletrônicos já se transformaram em realidade na rotina de médicos e enfermeiros. O avanço da tecnologia e a facilidade de uso ajudaram na popularização deste recurso, capaz de otimizar e agilizar inúmeros serviços nos consultórios. Hoje, até mesmo os profissionais mais conservadores e resistentes à inovação já se renderam a esses sistemas. O objetivo, claro, é ganhar tempo para se dedicar àquilo que eles tanto se prepararam – ou seja, o bom atendimento de seus pacientes. Confira cinco serviços que foram impactados com o prontuário eletrônico:

1 – Controle dos dados dos pacientes

O prontuário eletrônico funciona como aqueles grandes arquivos físicos que ocupavam um espaço considerável nos consultórios até pouco tempo atrás. Nele, há todas as informações relevantes dos pacientes, como histórico médico, medicamentos, dados cadastrais, entre outros. O fato de estar em uma única plataforma facilita a gestão destes documentos, permitindo o acesso em poucos cliques. Além disso, é uma opção mais segura, uma vez que não há o risco do conteúdo se perder em gavetas e pastas.

2 – Gestão do consultório

Um médico não deve apenas ser bom no atendimento, diagnóstico e tratamento de seus pacientes, mas também deve ser responsável pela administração de seu próprio consultório. Não é uma tarefa fácil para a grande maioria dos profissionais, que não acostumados a estes conceitos. O prontuário eletrônico surge como uma alternativa interessante, uma vez que reúne todos os processos necessários, como preenchimento de fichas cadastrais, agendamento e demais situações de seus pacientes.

3 – Equilíbrio financeiro

Da mesma forma que a administração, os profissionais de saúde têm pouco (ou nenhum) conhecimento sobre finanças. É um ponto crucial para o desempenho do consultório, uma vez que a falta de equilíbrio neste ponto pode comprometer a operação como um todo. Os melhores sistemas eletrônicos do mercado também auxiliam ao permitirem a gestão controlada de todas as receitas e despesas – além de facilitar o preenchimento dos formulários de convênios, evitando que o médico receba menos do que realmente merece.

4 – Monitoramento do receituário

Fazer o controle de receitas e medicamentos manualmente é um esforço muito grande e sempre suscetível a erros humanos. O avanço da tecnologia e dos prontuários eletrônicos permitiu que esse procedimento ficasse mais ágil e eficiente. Agora, o médico consegue controlar a emissão de receitas, identificando a necessidade de aumento ou manutenção de dosagem em alguns pacientes e o histórico de medicamentos que uma determinada pessoa já tomou em um período de tempo.

5 – Utilização de assinatura digital

Prontuários eletrônicos com a certificação NGS-2 do Conselho Federal de Medicina (CFM) com a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS) permitem a sincronização da assinatura digital em sua plataforma. Desta forma, além de gerar documentos já assinados, sem a necessidade de carimbos e assinaturas formais, faz o local dar o primeiro passo rumo à digitalização e à eliminação completa dos arquivos físicos em seu dia a dia.

* Tiago Delgado é sócio-fundador da Medicina Direta, empresa especializada em gestão e serviços digitais para clínicas e consultórios

Confira cinco tecnologias que melhoram a rotina médica

Hoje, um bom médico não é apenas aquele profissional que realiza o melhor atendimento, faz diagnósticos precisos e consegue melhorar a qualidade de vida das pessoas. Para alcançar esses objetivos, ele também precisa trabalhar com equipamentos tecnológicos que o auxiliam no dia a dia de seu consultório. Há soluções voltadas para a organização financeira, outras que ajudam no tratamento dos pacientes e até que automatizam processos. Saber conciliar cada um destes recursos potencializa o atendimento. Veja cinco tecnologias já existentes e que melhoram a rotina do profissional de saúde.

1 – Prontuário eletrônico

É a principal ferramenta de gestão do consultório médico. Com ele, é possível emitir receitas médicas, armazenar o histórico do paciente, possuir uma agenda inteligente de contatos, agilizar a solicitação de exames e até mesmo fazer o controle financeiro completo, incluindo o faturamento de convênios. As melhores marcas do mercado ainda possuem a certificação NGS-2 do Conselho Federal de Medicina (CFM) com a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS). Assim, o médico pode sincronizar a assinatura digital à plataforma e eliminar o uso de papel em sua rotina. Para acessar as recomendações do CFM e da SBIS sobre sistemas clique aqui.

2 – Dispositivos portáteis de monitoramento

Os wearables (vestíveis, na tradução) não chegam a ser uma novidade: as pulseiras que registram batimentos cardíacos, por exemplo, já estão nos braços dos adeptos de atividades físicas há algum tempo. Contudo, a evolução das possibilidades desse equipamento para a área de saúde o coloca como item essencial para a saúde nos próximos anos. Com eles, o médico pode ter acesso a dados importantes de seus pacientes, como pressão arterial, frequência cardíaca, controle calórico, entre outros. Isso permite uma análise mais detalhado no diagnóstico dos pacientes.

3 – Telemedicina

A expressão diz respeito a tecnologias que facilitam a relação entre médicos e pacientes à distância. O atendimento remoto para tratamento e diagnóstico é mais uma fronteira que está sendo ultrapassada graças aos recursos tecnológicos. Hoje, já é possível realizar conversas por vídeo em tempo real com as pessoas, ideal em casos mais urgentes, analisar resultados de exames e até orientar o primeiro tratamento em determinados casos. Isso gera não só uma economia financeira para ambas as partes, como também agiliza o atendimento por evitar o deslocamento até o consultório. O CFM está trabalhando para regulamentar o uso da telemedicina e, em breve, os profissionais de saúde deverão ter acesso a orientações detalhadas sobre como usá-la.

4 – Inteligência Artificial

A união de dados e equipamentos tecnológicos é a base da Inteligência Artificial, uma das principais tendências esperadas na medicina. O conceito explica a capacidade dessas ferramentas aprenderem a partir dos processos realizados. Assim, elas conseguem, sozinhas, executar determinadas funções. Em um consultório, por exemplo, soluções de IA podem automatizar a gestão financeira, por exemplo, ou até ajudar na organização das informações do paciente, antevendo situações de diagnóstico.

5 – Impressão 3D

Ainda é cara e restrita a grandes grupos hospitalares, mas é questão de tempo para as impressoras 3D se transformarem em tecnologias comuns também nos consultórios médicos. Afinal, a popularização e o maior uso tendem a diminuir os custos de produção nos próximos anos. Assim, os profissionais de saúde podem agilizar os atendimentos aos pacientes em determinados casos, uma vez que eles mesmos podem imprimir próteses e equipamentos, por exemplo. Contudo, a evolução da biotecnologia pode elevar esta questão a um outro patamar, como a impressão de pele e tecidos sintéticos.

* Tiago Delgado é sócio-fundador da Medicina Direta, empresa especializada em gestão e serviços digitais para clínicas e consultórios

Veja porque seu consultório precisa de um prontuário eletrônico com certificação SBIS-CFM

A utilização de diferentes recursos tecnológicos dentro do consultório deixou de ser uma novidade para se transformar em questão de sobrevivência. Com as ferramentas adequadas, o médico não apenas otimiza o tempo de consulta, como também melhora a qualidade do atendimento, proporcionando mais conforto e segurança aos pacientes. Uma das soluções consideradas essenciais é o prontuário eletrônico, software capaz de gerenciar todos os dados dos pacientes, informando cadastro, histórico, receituário, entre outros pontos. Contudo, na hora de adquirir este serviço, os profissionais de saúde devem pesquisar e contratar apenas sistemas aprovados pela SBIS (Sociedade Brasileira de Informática em Saúde). A lista completa dos prontuários eletrônicos certificados está aqui.

A SBIS emite uma certificação aos prontuários eletrônicos em parceria com o CFM (Conselho Federal de Medicina). As empresas passam por uma auditoria independente bastante rigorosa que, além de testar o conteúdo e exigir recursos necessários no dia a dia médico, também analisa todos os procedimentos de segurança do sistema. Após isso, a solução pode ganhar dois tipos de certificados. O NGS-1 atende os padrões exigidos, mas não é autorizado a substituir o papel por documentos eletrônicos. Já o NGS-2 é o nível mais alto disponível no país e, com ele, o software pode eliminar o uso do papel graças à assinatura digital.

A utilização de sistemas com certificação SBIS-CFM em clínicas é importante porque oferece segurança ao médico e paciente, garantindo que todos os dados estarão protegidos e permitindo a redução do armazenamento de documentos impressos – otimizando o espaço do consultório, por exemplo. Profissionais que utilizam o serviço sem certificação do principal órgão de medicina do país estão desprotegidos e sujeitos à boa vontade da empresa contratada caso precisem dos dados no fim do contrato. Além disso, também colocam em risco as informações de seus pacientes.

A questão da segurança e a autorização para eliminar totalmente o uso do papel no atendimento médico não são as únicas vantagens que um prontuário eletrônico certificado pode oferecer. O selo de certificação é a garantia de que a empresa vai entregar todos os dados ao consultório em caso de cancelamento de contrato. Depois, há a confiabilidade da estrutura, arquitetura e usabilidade do sistema, aprovadas por uma auditoria independente. Por fim, há a questão da conformidade legal com todos os procedimentos necessários na área de saúde e o reconhecimento do setor referente à seriedade com que aquele profissional lida com as informações clínicas.

Essa realidade é um caminho sem volta para os médicos brasileiros. Pesquisa da TIC Saúde 2017 mostra que praticamente três quartos dos profissionais (76%) utilizam sempre que possível o computador no atendimento ao paciente – enquanto que apenas 13% não usam este recurso. Entre os dados consultados eletronicamente estão os cadastrais (86%), exames laboratoriais (76%) e os históricos médicos das pessoas (75%). Com o avanço da conectividade, já há empresas que prestam este serviço também por meio de dispositivos móveis, como os smartphones.

A evolução tecnológica mudou a forma como as pessoas encaram o mundo e trouxe inúmeras vantagens à sociedade. Na área da saúde, por exemplo, as soluções desenvolvidas permitem que o médico possa se dedicar àquilo que ele estudou e se preparou, ou seja, atender com qualidade seus pacientes. Para que isso aconteça, contudo, ele precisa garantir que todos os recursos estejam em conformidade com todas as diretrizes e procedimentos dos órgãos superiores. Dessa forma, ele consegue se destacar por oferecer um atendimento cada vez melhor e mais eficiente a todos os cidadãos.

* Tiago Delgado é sócio-fundador da Medicina Direta, empresa especializada em gestão e serviços digitais para clínicas e consultórios

Como o papel é o vilão dos consultórios na busca por eficiência

Item imprescindível nos consultórios médicos até pouco tempo atrás, os documentos em papel se transformaram em um dos principais problemas que os médicos precisam lidar no dia a dia de suas tarefas. A quantidade cada vez maior de informações faz com que os profissionais de saúde tenham que lidar com questões que englobam a dificuldade de armazenamento desses registros, o risco de um documento se extraviar ou se perder e até a dificuldade de comunicação por conta da caligrafia médica. Os prontuários eletrônicos integrados aos certificados digitais resolvem grande parte deste verdadeiro problema. Confira cinco exemplos que mostram porque o papel impede a eficiência de seu consultório:

1 – Otimização do espaço físico

O primeiro passo para melhorar a experiência do paciente começa justamente pela disposição do espaço físico do consultório. O local precisa passar tranquilidade e conforto para a pessoa, pois assim ela consegue transmitir todos os detalhes ao médico, que por sua vez consegue fazer um melhor diagnóstico. Quem possui muitos documentos em papel, como histórico e receitas, precisa armazená-los em pesados arquivos físicos que tomam uma quantidade considerável do ambiente e ainda cria um clima mais impessoal na relação com seu paciente.

2 – Informações com mais segurança

Por mais cuidadoso que seja o profissional, papéis se perde conforme as pessoas vão manuseando pastas e arquivos. Além disso, falhas na comunicação com parceiros e pacientes também são comuns devido à caligrafia médica e falta de documentos em diversos procedimentos. A digitalização é uma das principais alternativas para resolver este ponto por permitir que os documentos ganhem uma cópia virtual, com fácil acesso por parte do médico, mas com menos risco de extravio graças às camadas de segurança oferecidas nas principais soluções tecnológicas do setor.

3 – Dados centralizados e de fácil gestão

Informações disponibilizadas no papel são dados de um determinado paciente, receita médica, gestão, entre outros. Com o avanço da tecnologia, os profissionais de saúde também identificaram as vantagens de cruzar diferentes documentos e informações para gerar insights relevantes para a tomada de decisão na gestão do consultório. O problema é tentar fazer esse cruzamento de dados de forma manual com todos os arquivos físicos presentes no local. Existem diversos recursos que automatizam esse processo, mas para funcionar eles precisam que todas as informações estejam disponíveis digitalmente.

4 – Expediente mais flexível

Antigamente, se um médico quisesse estudar um caso mais profundamente, ele era obrigado a pegar todos os arquivos referentes ao tema, leva-los para casa ou em sua viagem a congresso e começar a lê-los de forma ininterrupta. Resumindo: era um trabalho cansativo e de alto risco, uma vez que ele poderia esquecer um documento qualquer que prejudicaria a evolução da investigação. Com a digitalização e o advento da computação em nuvem, a situação se inverteu atualmente: ele pode acessar todos os dados necessários com um dispositivo conectado à Internet, por exemplo.

5 – Antenado com as novas tendências

Por fim, a utilização do papel no consultório inibe os profissionais a adotarem e estimularem soluções tecnológicas e inovadoras no setor de saúde – afinal, não há sequer espaço físico para novos recursos em ambientes assim. Entretanto, a digitalização de documentos e a popularização dos prontuários eletrônicos são, dia após dia, tecnologias essenciais na rotina médica, oferecendo praticidade, eficiência e segurança aos envolvidos. A partir daí, o seu uso frequente quebra o receio dos médicos, fazendo com que eles enxerguem com outros olhos todas as vantagens que a Internet e as novas tecnologias têm a oferecer.

* Tiago Delgado é sócio-fundador da Medicina Direta, empresa especializada em gestão e serviços digitais para clínicas e consultórios

Dez vantagens que a nuvem traz para os processos de seu consultório

Cena de ficção até pouco tempo atrás, as soluções em nuvem já se tornaram uma realidade nos consultórios médicos em todo o mundo. De simples serviços de e-mail e agendamento aos robustos prontuários eletrônicos que digitalizam todos os documentos, os profissionais de saúde conseguem automatizar processos burocráticos e oferecer uma maior qualidade no atendimento aos pacientes. Confira dez vantagens do cloud no dia a dia médico:

1 – Aumento de eficiência com o prontuário eletrônico

Essa ferramenta já existia antes da popularização da computação em nuvem, mas o recurso ganhou poder com a tecnologia. O fato de informações importantes, como histórico médico dos pacientes, estarem disponíveis em qualquer dispositivo conectado à Internet trouxe uma profissionalização maior aos consultórios, otimizando a gestão.

2 – Melhor segurança da informação de seus pacientes

Documentos armazenados em pastas e arquivos físicos podem se perder com o manuseio e falhas na comunicação por conta da caligrafia também são comuns. Uma solução em cloud que atenda aos requisitos da CFM (Conselho Federal de Medicina) resolve essas questões e amplia a segurança dos dados graças aos diferentes níveis de proteção.

A nuvem é um dos ambientes mais seguros para armazenamento de dados, por isso é utilizada para armazenamento de dados financeiros, como o internet banking, e dados  clínicos através de prontuários eletrônicos.

3 – Integração dos dados para agilizar atendimento

Se todos os documentos estão digitalizados na nuvem, eles geram dados de forma simples e rápida para os médicos. Informações como histórico de pacientes, agendamentos e receituários estão disponíveis a poucos cliques e podem ser cruzadas para oferecer uma visão completa sobre as pessoas e melhorar o atendimento.

4 – Maior capacidade tecnológica no consultório

Muitos profissionais não investiam em soluções tecnológicas por conta do custo e do tamanho de muitos equipamentos. Com a computação em nuvem isso não é problema. As soluções são digitais e podem ser acessadas de um simples computador, permitindo que o consultório possa ter as melhores ferramentas à disposição.

5 – Informação correta em mãos rapidamente

Um simples atendimento pode se complicar se o médico não conseguir achar o histórico do paciente e não lembrar os remédios receitados, por exemplo. É essencial ter as informações corretas em mãos rapidamente em uma consulta, algo que uma solução em nuvem pode proporcionar graças ao acesso por qualquer dispositivo conectado à Internet.

6 – Capacidade de armazenamento elevado

Um dos problemas dos documentos eletrônicos era o armazenamento de arquivos pesados, como imagens clínicas, e sua acessibilidade, ou seja, a capacidade de visualizá-los de forma rápida e clara. Servidores comuns têm um limite de espaço, enquanto que soluções em cloud possuem uma elasticidade maior para atender as necessidades do médico.

7 – Relação custo x benefício vantajosa

Ao adotar esses recursos, o consultório também consegue reduzir o custo de manutenção de TI (tecnologia da informação) a longo prazo. O custo de implementação é mais vantajoso, permitindo que o profissional possa escolher o melhor plano para sua realidade, evidenciando a longo prazo a ótima relação entre despesas e vantagens de utilização.

8 – Flexibilidade no dia a dia médico

Antes, para tirar uma dúvida sobre um determinado caso, o médico precisava estar em seu consultório para consultar os registros – ou levar esses arquivos onde quer que fosse. Agora, ele pode acessar esses dados quando quiser de qualquer dispositivo com acesso à Internet, agilizando a tomada de decisão no dia a dia.

9 – Suporte remoto e eficiente

Deu problema em sua solução bem no horário mais movimentado de seu consultório, e agora? O que pode soar como pesadelo para médicos que utilizam equipamentos físicos, é mais uma vantagem para o cloud. A maioria dos fornecedores oferecem suporte remoto, ágil e rápido, permitindo que o dano seja mínimo.

10 – Dedicação exclusiva ao paciente

Por fim, o cloud computing consegue automatizar diversos processos burocráticos e permite que o médico possa se dedicar àquilo que ele se preparou. Ou seja, atender seus pacientes com mais qualidade. Isso porque essa tecnologia faz com que as soluções e as informações estejam acessíveis, reduzindo tempo desperdiçado na busca por um determinado arquivo.

* Tiago Delgado é sócio-fundador da Medicina Direta, empresa especializada em gestão e serviços digitais para clínicas e consultórios

Quer implantar um atendimento humanizado em seu consultório? Veja como a tecnologia pode ajudar.

Um bom médico não é só aquele que consegue fazer cirurgias complicadas ou diagnosticar uma doença de forma rápida e precisa. Hoje, é imprescindível que o profissional também saiba se comunicar com seu paciente, consiga ouvir e oferecer conselhos de vida saudável e, principalmente, o deixe mais confortável para fazer exames de rotina e prevenção. Estes tópicos são apenas alguns exemplos do atendimento humanizado, um conceito que está em alta na medicina e que muitos consultórios ainda buscam implantar. Felizmente, a tecnologia oferece auxílio justamente neste ponto.

A proposta de uma maior humanização no relacionamento entre médicos e pacientes não é nova. O Ministério da Saúde, por exemplo, lançou em 2003 a Política Nacional de Humanização (PNH), com diretrizes para as práticas de atenção e gestão na saúde pública brasileira. Contudo, foi o avanço tecnológico dos últimos anos que permitiu um crescimento significativo desta ideia, oferecendo as condições necessárias para que os profissionais possam, realmente, se dedicar aos seus pacientes com a atenção que eles merecem e esperam – ao invés de serem engolidos em processos burocráticos e administrativos.

Com um software de gestão na nuvem, o médico agiliza os processos internos e ganha mais tempo para o paciente, ouvindo com mais afinco suas queixas e conseguindo estabelecer um relacionamento mais pessoal – essencial para chegar ao diagnóstico preciso. É o famoso “olho no olho” que aumenta a confiança de um indivíduo em uma consulta. Afinal, se ele procura um profissional de saúde é porque tem algum problema e quer que o especialista resolva o quanto antes. Além disso, com os registros disponíveis na nuvem, o próprio consultório fica mais humanizado ao se livrar dos arquivos e da papelada, auxiliando no conforto de quem estiver por lá.

Há também o aspecto prático: como todos os dados das pessoas estarão digitalizados, o profissional pode cruzá-los de forma rápida e eficiente, obtendo uma visão mais completa de cada um de seus pacientes. Com as informações certas, é possível deixar a consulta muito mais pessoal – não há nada que agrade mais do que ser chamado pelo nome ou ver que o profissional lembra de seu caso sem ter que consultar um histórico. A personalização do atendimento é a base da medicina humanizada – e só é possível com o apoio de recursos tecnológicos para realizar estas tarefas automáticas.

O último levantamento da Pesquisa TIC Saúde, realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, já evidencia essa mudança de percepção. Médicos que possuem computador e acesso à web conseguem atender um maior número de pacientes por dia (54%), diminuiu a realização de exames duplicados ou desnecessários (80%), reduziu a lista de espera de pacientes (63%), identificaram maior eficiência no atendimento (85%) e viram melhora na qualidade do atendimento como um todo (82%).

Hoje, o médico é mais do que um prestador de serviço para as pessoas. Pela posição que ocupa e pelos anos de estudo e preparação para se formar e especializar, ele é visto como um conselheiro e alguém capaz de influenciar positivamente em nossa saúde. Por conta disso, ele deve ouvir, olhar e perceber as preocupações e aflições que marcam seus pacientes durante uma consulta. O tratamento eficaz começa quando percebemos que não somos apenas um “caso a mais” dentro dos consultórios.

* Tiago Delgado é sócio-fundador da Medicina Direta, empresa especializada em gestão e serviços digitais para clínicas e consultórios

Atualize seu consultório e aumente o potencial de retorno em 2019

A virada do ano é uma época propícia para pessoas e empresas estipularem novas metas, sonhos e objetivos a serem cumpridos neste novo ciclo do calendário. As listas de desejos já fazem parte do imaginário popular, mas elas são eficazes por possibilitar a criação de um planejamento para cumpri-las. Na área da saúde não é diferente. O início de um novo ano é o momento ideal para rever alguns conceitos e testar novos procedimentos nas clínicas e consultórios.

Para isso, a recomendação é buscar uma atualização do local, investindo em novas tecnologias e, principalmente, em novos conceitos que coloquem o serviço realizado pelo médico alinhado às expectativas de seus próprios pacientes. Hoje, o perfil das pessoas que procuram médicos mudou – e é hora desses profissionais também se adaptarem aos novos tempos. Confira quatro dicas para aumentar o potencial do consultório em 2019:

1 – Atualize o software de sua clínica

Hoje, é inadmissível visualizar um consultório sem um prontuário eletrônico para auxiliar os profissionais no dia a dia. Essa ferramenta traz mais controle e segurança aos processos médicos, ao mesmo tempo em que melhora a qualidade do atendimento ao paciente. Contudo, como toda tecnologia, há uma evolução constante na solução, com novos recursos disponíveis. Aproveite o início de 2019 para atualizar o software de sua clínica. Hoje, há empresas que desenvolvem prontuários que permitem a digitalização completa dos documentos e realizam até mesmo a gestão financeira do local.

2 – Tenha um website para seu consultório

Mais da metade das famílias brasileiras possuem acesso à Internet, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Dessa forma, torna-se essencial que o consultório esteja presente na web e fique disponível a seu público-alvo. Contudo, não basta apenas criar um site e deixá-lo parado. Conceitos como SEO e navegação responsiva devem ser aplicados na página e seu conteúdo precisa seguir à risca as recomendações do CFM (Conselho Federal de Medicina) e da Codame (Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos).

3 – Substitua todo o papel

Documentos em papel sempre são um risco: a pessoa pode rasga-los, danificá-los ou simplesmente perde-los. Hoje, grande parte das pessoas preferem lidar com informações digitais em seus smartphones. Mostre que sua clínica está alinhada com os recursos tecnológicos e promova a digitalização integral de todos os processos em 2019. Para eliminar o papel, o local precisa utilizar prontuários eletrônicos que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), de acordo com a resolução 1821/07 do CFM.

4 – Utilize certificado digital em seus processos

Prontuários eletrônicos com certificação NGS-2 permitem a integração do sistema com o certificado digital, um recurso essencial para a área médica. Ele é crucial para a eliminação do papel, seu uso traz mais segurança aos profissionais de saúde, pois garante a autenticidade dos dados inseridos no sistema, oferece uma maior mobilidade, pois documentos podem ser “assinados” por dispositivos móveis e facilita a gestão do consultório como um todo, automatizando processos e arquivando digitalmente todos os dados necessários com total segurança.

*Conteúdo desenvolvido pela equipe da Medicina Direta    

Utilize a tecnologia em seu consultório: aproveite todos os recursos de um prontuário eletrônico a seu favor

Um bom sistema de prontuário eletrônico não constrói clínicas de sucesso, ele apenas as revela. Tanto que computadores e prontuários eletrônicos já fazem parte do ambiente de trabalho em consultórios. Contudo, poucos médicos utilizam esses recursos com frequência para otimizar e melhorar seu trabalho. Dados da Pesquisa TIC Saúde indicam que 61% dos profissionais de saúde utilizam o computador durante a consulta, mas esse número cai para 50% quando perguntado se eles utilizam para além do atendimento. Ou seja, metade abre mão destas tecnologias em sua gestão.

É um desperdício utilizar o prontuário eletrônico “apenas” para armazenar dados cadastrais ou, no máximo, arquivar o histórico clínico. Na verdade, são apenas os dois primeiros passos. Com uma solução na nuvem e as informações disponíveis em qualquer local, é possível aproveitar este serviço em outras áreas, permitindo que o profissional de saúde tenha tempo para se dedicar ao que realmente importa: o atendimento com qualidade de seus pacientes.

Confira alguns pontos que impactam diretamente a eficiência de uma clínica:

Agenda inteligente: com os dados de cadastro e contato da pessoa, é possível automatizar o processo de agendamento de consultas. O prontuário eletrônico pode se integrar ao site e à caixa de e-mail da clínica, permitindo que a pessoa agende um horário de forma online e que um e-mail seja enviado de maneira automatizada pelo sistema para confirmar para o paciente o horário e o endereço agendado.

Gestão financeira completa: os médicos ainda costumam realizar a gestão de suas receitas de forma manual ou, no máximo, com a ajuda de uma planilha simples no computador. Um bom prontuário eletrônico consegue automatizar essa dinâmica e, além disso, ajuda no preenchimento dos documentos das operadoras de planos de saúde, diminuindo a chance de erro e garantindo o pagamento.

Eliminação do papel: a solução também pode substituir e eliminar os documentos em papel no consultório. De acordo com a resolução 1821/07 do CFM (Conselho Federal de Medicina, apenas prontuários que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), podem substituir o papel na área médica – justamente a categoria que permite a integração com certificado digital. Assim, todos os documentos podem ser registrados, assinados e armazenados no meio eletrônico.

Mobilidade: se o prontuário eletrônico estiver hospedado na nuvem, ele pode ser acessado por qualquer dispositivo com acesso à Internet. Isso permite que o médico possa ver o histórico de um paciente, o receituário, dados financeiros, entre outros, enquanto está viajando ou participando de um congresso, por exemplo.

Segurança dos dados dos pacientes: deixar o histórico do paciente em arquivos físicos não é o meio mais seguro de preservá-los. Além da nuvem, o prontuário eletrônico que atende os requisitos exigidos pelo CFM consegue garantir a segurança da informação no mundo digital graças à organização e disposição dos dados, além de eliminar falhas na comunicação devido a problemas na caligrafia dos profissionais.

O uso do prontuário eletrônico em clínicas e consultórios realmente veio para ficar.7

Cloud-first: como incorporar esse conceito em seu consultório

Aplicativos de celulares, prontuário eletrônico e contas de e-mail. Hoje é impensável uma clínica médica não utilizar um serviço de computação em nuvem. A praticidade, a segurança e a facilidade de acesso são alguns pontos que explicam porque essas soluções ganham espaço na rotina médica. Tanto que a tendência é o consultório pensar, cada vez mais, em cloud-firstem seu dia a dia.

O conceito é amplamente utilizado no mundo corporativo e remete à importância que o cloud computing possui na estratégia das empresas. Com o crescimento na área da saúde, passou a ser utilizado em hospitais, consultórios e clínicas. A pesquisa Healthcare Cloud Computing Outlook, da Frost & Sullivan, indica que o mercado global da computação em nuvem na medicina deve valer mais de U$ 10 bilhões até 2021. Confira quatro passos para o consultório também ser cloud-first:

Mude a cultura: é necessário mudar a forma como médicos e profissionais de saúde enxergam a nuvem para que essas soluções ganhem destaque e assumam posições estratégicas no consultório. As pessoas precisam se acostumar com o cloud computing, facilitando a busca por novos serviços e utilizando todos as funções que podem trazer para o dia a dia de todos os colaboradores.

Descomplique: a mudança para a nuvem não precisa ser radical. Comece com áreas menos importantes, como serviços de e-mail e de agenda, para depois investir em soluções mais robustas e estratégicas, como prontuários eletrônicos que atendem os requisitos do CFM (Conselho Federal de Medicina) e conseguem digitalizar todos os documentos do consultório.

Mensure os benefícios: depois que implementar as soluções, é essencial mensurar os benefícios que a nuvem trouxe para a rotina médica. Analise tudo: tempo utilizado para gestão do consultório, quantidade de dados colocados na nuvem, serviços automatizados, entre outros pontos. Com esses números é fácil identificar o que foi melhorado e o que ainda pode ser otimizado.

Busque as melhores soluções: por fim, mantenha-se atualizado sobre as melhores soluções de cloud computing para o consultório médico. Pesquise e saiba quais as novidades do mercado e quais funcionalidades elas podem trazer para sua rotina. Ao fazer isso, o médico consegue comparar preços e produtos, identificando o que realmente vai agregar em seu trabalho.

Organize sua clínica em cinco semanas

Semana 1 – Elimine os papéis do consultório

Reserve a primeira semana do ano para “digitalizar” o consultório. Hoje, vários processos podem migrar para sistemas eletrônicos, otimizando a gestão e permitindo que o médico tenha mais tempo para os pacientes. Para isso, procure soluções que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), por possuírem integração com certificados digitais. Assim, receitas, prontuários, formulários e demais documentos podem ter apenas a versão digital.

Semana 2 – Tenha um sistema financeiro dedicado

Após digitalizar os documentos, faça o mesmo com a gestão financeira do consultório na segunda semana. Não é raro encontrar médicos que preenchem manualmente planilhas no computador ou utilizam até agendas de papel para registrarem a movimentação financeira. Busque um sistema eletrônico que automatize todos os processos e, de preferência, esteja integrado com o prontuário eletrônico.

Semana 3 – Enumere todas as despesas do consultório

Com uma nova solução para a gestão financeira, utilize a terceira semana para levantar – e incluir – todas as despesas mensais do consultório no sistema eletrônico. Tudo deve ser contabilizado: salários, fornecedores, equipamentos, contas a pagar e outros custos envolvidos. Dessa forma, é possível automatizar todos os relatórios de entrada e saída de dinheiro e agilizar a tomada de decisões.

Semana 4 – Marque presença na web

Atualmente é imprescindível que o consultório esteja presente na web e nas mídias sociais. Não é difícil criar uma página na internet, mas é preciso garantir que esteja visível ao público-alvo. Conceitos como SEO (Search Engine Optimization) e navegação responsiva precisam estar na base do site do consultório. Tire a quarta semana para fazer essa revisão ou, se for o caso, criar uma página da web para a sua marca.

Semana 5 – Aproxime-se dos pacientes

Por fim, utilize a quinta e última semana para estruturar canais de comunicação do consultório com os pacientes. O próprio prontuário eletrônico pode agilizar o atendimento, permitindo o agendamento de consultas e, em alguns casos, até o pagamento das mesmas. Utilize também as redes sociais para interagir e tirar dúvidas, como Whatsapp, Facebook e canal no Youtube. Isso permite que o atendimento seja o melhor antes, durante e depois da conversa entre médico e paciente.

5 impactos do prontuário eletrônico no consultório médico

O prontuário eletrônico já é uma realidade nos consultórios médicos do Brasil: três quartos dos estabelecimentos de saúde já possuem algum tipo de sistema para registro de dados dos pacientes, de acordo com a Pesquisa TIC Saúde 2015. Contudo, são poucos os médicos que conseguem aproveitar todos os recursos dessa ferramenta tão importante: ainda segundo a mesma pesquisa, apenas 27% admitiram que a solução diminuiu a carga de trabalho. Quando bem utilizado, o prontuário eletrônico consegue transformar a rotina do consultório. Veja cinco impactos no dia-a-dia do médico:

Qualidade do atendimento: o prontuário eletrônico automatiza e agiliza procedimentos burocráticos que os médicos precisam realizar, como o registro do histórico do paciente, os documentos financeiros, as receitas, entre outros. Com uma solução tecnológica que faça esses serviços, os profissionais de saúde ficam com tempo livre para melhorarem os atendimentos aos pacientes.

Documentos digitalizados: sistemas eletrônicos que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), podem ter integração com certificados digitais. Assim, é possível eliminar os papéis e digitalizar todos os documentos do consultório, garantindo maior rapidez na busca por dados e informações.

Segurança dos dados do paciente: com a certificação, a assinatura digital do médico ganha validade jurídica e substitui os carimbos em todos os documentos. Aliado ao prontuário eletrônico na nuvem, o médico consegue aumentar a segurança da informação devido à organização e disposição dos dados, além de eliminar falhas na comunicação devido a problemas na caligrafia dos profissionais.

Controle sobre os processos da clínica: os softwares de gestão permitem reunir em uma única plataforma todas as informações úteis para a clínica, como o histórico de paciente, exames realizados, movimentação financeira, entre outros pontos. Dessa forma, o profissional consegue ter uma visão completa do que acontece no consultório e otimiza a tomada de decisões.

Informações na palma da mão: prontuários eletrônicos hospedados na nuvem podem ser acessados por qualquer dispositivo móvel que tenha acesso à Internet, oferecendo um maior conforto aos profissionais. É ideal, por exemplo, para os médicos que participam com frequência de congressos e feiras e precisam visualizar documentos ou até acessar dados clínicos de seus pacientes durante a viagem.

Agende uma apresentação do prontuário eletrônico da Medicina Direta Certificado pelo CFM durante o Congresso da SBD em Porto Alegre

Agende uma apresentação do prontuário eletrônico da Medicina Direta Certificado pelo CFM durante o Congresso da SBD em Porto Alegre pelo email: atendimento@medicinadireta.com.br

Prepare-se para visitar o stand da Medicina Direta no Congresso da SBD.

Reserve um tempo em sua agenda, durante o Congresso da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) para nos visitar. Isso é uma dica importante, afinal, não estamos apenas fazendo a promoção do melhor sistema de prontuário eletrônico e gerenciamento clínico do Brasil, estaremos apresentando oficialmente, a nova versão de nosso sistema, o Medicina Direta V3!

Não estamos apenas mudando o layout de nosso sistema, estamos aprimorando e agregando novas funcionalidades que irão tornar o Medicina Direta o melhor e mais completo sistema para médicos, clinicas e consultórios médicos.

Alem de oferecer aos usuários um módulo de certificação digital, no qual o próprio médico terá a facilidade de assinar digitalmente todas as suas atividades, pedidos para autorização de convênios, pedidos de exames laboratoriais, acesso aos exames de seus clientes, tudo com a facilidade e a segurança do certificado digital, integrado diretamente ao seu sistema de prontuários, é inovação com qualidade e segurança!

Fora as dezenas de melhorias que alcançamos em nosso novo sistema, a versão 3.0 já é certificada e homologada pelo CFM (Conselho Federal de Medicina), com aprovação em 100% dos requisitos.

Considerada por autoridades em informática da área médica como um sistema revolucionário para clínicas, a Medicina Direta Versão 3.0 inaugura um novo padrão de softwares no campo da saúde. A certificação concedida é a NGS-2, que contempla a categoria máxima e mais exigente por parte do CFM.

Não perca a chance de se atualizar, vindo ao Congresso da SBD, que em 2017 ocorre em Porto Alegre, RS, no Centro de Convenções FIERGS, reserve pelo menos 2 horas para se atualizar sobre as novidades que estamos trazendo ao mercado Brasileiro de Clínicas e Consultórios!