Pular para o conteúdo

Os sete erros que seu consultório comete com a falta de tecnologia

O médico encara anos de universidade e, posteriormente, o período de residência para adquirir habilidades que possibilitam atender com qualidade seus pacientes. Essa é sua principal tarefa. Porém, esses profissionais também precisam ser gestores capazes de administrarem seus consultórios ao mesmo tempo em que prestam o serviço no qual se prepararam arduamente. Assim, é natural que eles cometam erros com a administração de seus documentos e finanças, ainda mais se não utilizarem soluções tecnológicas que os auxiliam em todos os processos. Confira os mais comuns:

1 – Falta de organização dos documentos

O erro mais comum dos médicos é não ter um controle sobre a gestão de todos os documentos do consultório. Por falta de tempo e até de espaço físico, eles armazenam receitas, históricos de pacientes, notas fiscais, recibos, entre outros, no mesmo local. Assim, quando precisam buscar um arquivo específico, costumam revirar gavetas e pastas até encontrar o que precisa – impactando diretamente na produtividade e na qualidade do atendimento.

2 – Dependência do papel

Além da gestão de documentos, a falta de tecnologia faz com que os profissionais de saúde continuem dependentes do papel nos principais documentos que utilizam. Dessa forma, em pouco tempo haverá um acúmulo grande de folhas no consultório, tomando um espaço considerável com arquivos e gavetas. Para resolver isso, conte com prontuários eletrônicos com a certificação NGS-2 do CFM-SBIS, que permitem a sincronização da assinatura digital e a eliminação completa dos arquivos físicos no dia a dia.

3 – Visão incompleta dos pacientes  

Quando não há gestão, as informações precisam ser organizadas manualmente, impedindo que o médico consiga ter uma visão completa de seus pacientes. Ou seja, todos os dados relevantes, como histórico, medicamentos tomados, dados cadastrais e demográficos não são integrados, comprometendo o diagnóstico o atendimento na consulta. O ideal é que todos os arquivos fiquem disponíveis em uma única plataforma e acessível a poucos cliques no computador ou até no smartphone.

4 – Má qualidade no atendimento ao paciente

Possuir um consultório exige que o médico tenha habilidades de gestão financeira. Contudo, ele não precisa fazer isso sozinho e deve contar com o apoio da tecnologia para isso. Sem ela, não é possível manter todos os processos em dia, o que o levará a passar grande parte de seu expediente executando tarefas burocráticas ao invés de fazer aquilo que ele sabe fazer de melhor, isto é, atender de forma humanizada seus pacientes.

5 – Atrasos na agenda

A agenda é, talvez, a principal ferramenta de gestão para um médico. Afinal, ele precisa conciliar seu expediente de atendimentos e consultas com participações em congressos, eventos, aulas e seminários que eventualmente participar. Muitos optam em realizar essa tarefa manualmente, o que constantemente leva a atrasos e remarcações de horários – irritando as pessoas. Com o prontuário eletrônico, essa atividade é automatizada, trazendo mais simplicidade e eficiência no dia a dia.

* Tiago Delgado é sócio-fundador da Medicina Direta, empresa especializada em gestão e serviços digitais para clínicas e consultórios

Gostaria de reveber novidades?
Post's mais acessados
Como as incertezas da LGPD impactam o consultório médico?
Consultório / Prontuário Eletrônico / Publicações Medicina Direta

Como as incertezas da LGPD impactam o consultório médico?

O mês de agosto marca o aniversário de dois anos de um tema que circunda diferentes setores, preocupando empresas e profissionais e exigindo uma maior maturidade em relação ao ambiente digital. A Lei 13.709/18, popularmente conhecida como LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) traz novas regras e normas sobre o uso de dados […]

Leia Mais
Telemedicina exige adequação do consultório – e do médico – à tecnologia
Consultório / Prontuário Eletrônico / Publicações Medicina Direta

Telemedicina exige adequação do consultório – e do médico – à tecnologia

A pandemia de COVID-19 trouxe novos hábitos às pessoas. Hoje, com o necessário isolamento social, simples atitudes como consumir produtos ou serviços e se relacionar com amigos e familiares são feitas no ambiente on-line graças às ferramentas de tecnologia. O mesmo acontece na área da saúde. Enquanto grande parte de médicos e enfermeiras atua na […]

Leia Mais
Telemedicina: o que pode e o que não pode no Brasil
Consultório / Prontuário Eletrônico / Publicações Medicina Direta

Telemedicina: o que pode e o que não pode no Brasil

A pandemia de COVID-19 fez o Brasil dar um passo importante na digitalização de consultórios, clínicas e hospitais. A Telemedicina, isto é, o atendimento remoto de pacientes, foi liberada em caráter temporário e excepcional pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para que médicos possam manter os atendimentos e consultas normalmente durante o período de distanciamento […]

Leia Mais
Gostou?
Vamos conversar.

Solicite uma demonstração e iremos mostrar o sistema que transformará a qualidade de atendimento e gestão de sua clínica.