Pular para o conteúdo

Cinco funcionalidades do prontuário eletrônico que você desconhece

É uma ferramenta tão eficiente que, atualmente, é impensável encontrar algum consultório que não tenha um prontuário eletrônico. A solução realmente otimizou o dia a dia do profissional de saúde, trazendo mais agilidade, eficiência e qualidade não só nos processos, mas principalmente nas consultas com os pacientes. A questão é que, ainda hoje, a grande maioria ainda utiliza o recurso como um simples repositório de dados, reunindo receitas, históricos e demais informações sobre as pessoas. Na verdade, pode (e deve) ser muito mais do que isso. Confira cinco funcionalidades do prontuário eletrônicos que muitos médicos desconhecem.

1 – O próprio paciente pode preencher seus dados

Ao invés de perder tempo considerável na recepção para preencher os dados do paciente, hoje é possível que a própria pessoa escreva informações básicas em seu cadastro, como endereço, RG, CPF, entre outros, enquanto faz o agendamento online. Isso é possível por meio de um link disponibilizado pela solução com a segurança da computação em nuvem. Além disso, o médico também pode enviar questionários clínicos pontuais nesse processo. Dessa forma, quando chegar à cínica para consulta, tudo estará agilizado, oferecendo mais comodidade a todos.

2 – Acesso a conteúdo clínico na plataforma

Poucas áreas exigem atualização e estudo contínuo dos profissionais como a da saúde. Hoje, médicos precisam estar atentos às novidades, tendências e pesquisas que estão em andamento em todo o mundo. Pensando nisso, os melhores prontuários eletrônicos já integram serviços de conteúdo clínico em sua plataforma, permitindo que o usuário acesse pesquisas e artigos científicos com mais facilidade. Assim, é possível cruzar os dados clínicos dos pacientes com o conhecimento disponível nesses portais.

3 – Organização financeira

Um dos grandes problemas dos médicos que administram seus consultórios é a gestão financeira. Muitos profissionais não tem conhecimento sobre finanças. Para resolver essa questão, os melhores sistemas eletrônicos contêm uma funcionalidade que permite o controle ágil e transparente de todas as receitas e despesas. Além disso, facilitam até mesmo o preenchimento dos formulários de convênios, evitando receber dos planos de saúde um valor abaixo do que realmente merece por eventuais erros nos relatórios.

4 – Eliminação completa do papel no consultório

É inegável que todos os prontuários eletrônicos promovem uma maior digitalização do consultório, mas isso não impede que os documentos em papel continuem existindo. Por questão legal, os médicos precisam manter cópias de vários arquivos por muitos anos, como receituários e histórico do paciente. Entretanto, prontuários que atendam as normas NGS-2 do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS) podem integrar o serviço de certificação digital e, nestes casos, eliminar de vez o uso do papel.

5 – Acesso via aplicativo móvel

Os prontuários eletrônicos surgiram como softwares instalados diretamente nos computadores dos consultórios e hospitais. Contudo, o avanço da tecnologia promoveu uma atualização e, agora, eles podem operar na nuvem. Dessa forma, todos os documentos podem ser acessados pelo médico em qualquer lugar do mundo desde que tenha algum dispositivo conectado à Internet. Não à toa, as melhores soluções disponibilizam aplicativos que permitem o acesso com poucos toques na tela do smartphone – ideal para médicos que participam de congressos e eventos científicos.

* Tiago Delgado é sócio-fundador da Medicina Direta, empresa especializada em gestão e serviços digitais para clínicas e consultórios

Gostaria de reveber novidades?
Post's mais acessados
Como as incertezas da LGPD impactam o consultório médico?
Consultório / Prontuário Eletrônico / Publicações Medicina Direta

Como as incertezas da LGPD impactam o consultório médico?

O mês de agosto marca o aniversário de dois anos de um tema que circunda diferentes setores, preocupando empresas e profissionais e exigindo uma maior maturidade em relação ao ambiente digital. A Lei 13.709/18, popularmente conhecida como LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) traz novas regras e normas sobre o uso de dados […]

Leia Mais
Telemedicina exige adequação do consultório – e do médico – à tecnologia
Consultório / Prontuário Eletrônico / Publicações Medicina Direta

Telemedicina exige adequação do consultório – e do médico – à tecnologia

A pandemia de COVID-19 trouxe novos hábitos às pessoas. Hoje, com o necessário isolamento social, simples atitudes como consumir produtos ou serviços e se relacionar com amigos e familiares são feitas no ambiente on-line graças às ferramentas de tecnologia. O mesmo acontece na área da saúde. Enquanto grande parte de médicos e enfermeiras atua na […]

Leia Mais
Telemedicina: o que pode e o que não pode no Brasil
Consultório / Prontuário Eletrônico / Publicações Medicina Direta

Telemedicina: o que pode e o que não pode no Brasil

A pandemia de COVID-19 fez o Brasil dar um passo importante na digitalização de consultórios, clínicas e hospitais. A Telemedicina, isto é, o atendimento remoto de pacientes, foi liberada em caráter temporário e excepcional pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para que médicos possam manter os atendimentos e consultas normalmente durante o período de distanciamento […]

Leia Mais
Gostou?
Vamos conversar.

Solicite uma demonstração e iremos mostrar o sistema que transformará a qualidade de atendimento e gestão de sua clínica.