Quer implantar um atendimento humanizado em seu consultório? Veja como a tecnologia pode ajudar.

Um bom médico não é só aquele que consegue fazer cirurgias complicadas ou diagnosticar uma doença de forma rápida e precisa. Hoje, é imprescindível que o profissional também saiba se comunicar com seu paciente, consiga ouvir e oferecer conselhos de vida saudável e, principalmente, o deixe mais confortável para fazer exames de rotina e prevenção. Estes tópicos são apenas alguns exemplos do atendimento humanizado, um conceito que está em alta na medicina e que muitos consultórios ainda buscam implantar. Felizmente, a tecnologia oferece auxílio justamente neste ponto.

A proposta de uma maior humanização no relacionamento entre médicos e pacientes não é nova. O Ministério da Saúde, por exemplo, lançou em 2003 a Política Nacional de Humanização (PNH), com diretrizes para as práticas de atenção e gestão na saúde pública brasileira. Contudo, foi o avanço tecnológico dos últimos anos que permitiu um crescimento significativo desta ideia, oferecendo as condições necessárias para que os profissionais possam, realmente, se dedicar aos seus pacientes com a atenção que eles merecem e esperam – ao invés de serem engolidos em processos burocráticos e administrativos.

Com um software de gestão na nuvem, o médico agiliza os processos internos e ganha mais tempo para o paciente, ouvindo com mais afinco suas queixas e conseguindo estabelecer um relacionamento mais pessoal – essencial para chegar ao diagnóstico preciso. É o famoso “olho no olho” que aumenta a confiança de um indivíduo em uma consulta. Afinal, se ele procura um profissional de saúde é porque tem algum problema e quer que o especialista resolva o quanto antes. Além disso, com os registros disponíveis na nuvem, o próprio consultório fica mais humanizado ao se livrar dos arquivos e da papelada, auxiliando no conforto de quem estiver por lá.

Há também o aspecto prático: como todos os dados das pessoas estarão digitalizados, o profissional pode cruzá-los de forma rápida e eficiente, obtendo uma visão mais completa de cada um de seus pacientes. Com as informações certas, é possível deixar a consulta muito mais pessoal – não há nada que agrade mais do que ser chamado pelo nome ou ver que o profissional lembra de seu caso sem ter que consultar um histórico. A personalização do atendimento é a base da medicina humanizada – e só é possível com o apoio de recursos tecnológicos para realizar estas tarefas automáticas.

O último levantamento da Pesquisa TIC Saúde, realizada pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil, já evidencia essa mudança de percepção. Médicos que possuem computador e acesso à web conseguem atender um maior número de pacientes por dia (54%), diminuiu a realização de exames duplicados ou desnecessários (80%), reduziu a lista de espera de pacientes (63%), identificaram maior eficiência no atendimento (85%) e viram melhora na qualidade do atendimento como um todo (82%).

Hoje, o médico é mais do que um prestador de serviço para as pessoas. Pela posição que ocupa e pelos anos de estudo e preparação para se formar e especializar, ele é visto como um conselheiro e alguém capaz de influenciar positivamente em nossa saúde. Por conta disso, ele deve ouvir, olhar e perceber as preocupações e aflições que marcam seus pacientes durante uma consulta. O tratamento eficaz começa quando percebemos que não somos apenas um “caso a mais” dentro dos consultórios.

* Tiago Delgado é sócio-fundador da Medicina Direta, empresa especializada em gestão e serviços digitais para clínicas e consultórios

Cloud-first: como incorporar esse conceito em seu consultório

Aplicativos de celulares, prontuário eletrônico e contas de e-mail. Hoje é impensável uma clínica médica não utilizar um serviço de computação em nuvem. A praticidade, a segurança e a facilidade de acesso são alguns pontos que explicam porque essas soluções ganham espaço na rotina médica. Tanto que a tendência é o consultório pensar, cada vez mais, em cloud-firstem seu dia a dia.

O conceito é amplamente utilizado no mundo corporativo e remete à importância que o cloud computing possui na estratégia das empresas. Com o crescimento na área da saúde, passou a ser utilizado em hospitais, consultórios e clínicas. A pesquisa Healthcare Cloud Computing Outlook, da Frost & Sullivan, indica que o mercado global da computação em nuvem na medicina deve valer mais de U$ 10 bilhões até 2021. Confira quatro passos para o consultório também ser cloud-first:

Mude a cultura: é necessário mudar a forma como médicos e profissionais de saúde enxergam a nuvem para que essas soluções ganhem destaque e assumam posições estratégicas no consultório. As pessoas precisam se acostumar com o cloud computing, facilitando a busca por novos serviços e utilizando todos as funções que podem trazer para o dia a dia de todos os colaboradores.

Descomplique: a mudança para a nuvem não precisa ser radical. Comece com áreas menos importantes, como serviços de e-mail e de agenda, para depois investir em soluções mais robustas e estratégicas, como prontuários eletrônicos que atendem os requisitos do CFM (Conselho Federal de Medicina) e conseguem digitalizar todos os documentos do consultório.

Mensure os benefícios: depois que implementar as soluções, é essencial mensurar os benefícios que a nuvem trouxe para a rotina médica. Analise tudo: tempo utilizado para gestão do consultório, quantidade de dados colocados na nuvem, serviços automatizados, entre outros pontos. Com esses números é fácil identificar o que foi melhorado e o que ainda pode ser otimizado.

Busque as melhores soluções: por fim, mantenha-se atualizado sobre as melhores soluções de cloud computing para o consultório médico. Pesquise e saiba quais as novidades do mercado e quais funcionalidades elas podem trazer para sua rotina. Ao fazer isso, o médico consegue comparar preços e produtos, identificando o que realmente vai agregar em seu trabalho.

O seu consultório já é digital?

De acordo com dados da Pesquisa TIC Saúde 2016, divulgada em novembro de 2017, 61% dos médicos utilizam regularmente o computador para o atendimento dos pacientes, mas apenas 50% aproveitam a ferramenta para outros assuntos referentes ao funcionamento de seu local de trabalho. Ou seja: metade ainda se recusa a utilizar soluções digitais para além do nível mais básico de atendimento.

Esse número é explicado pelo próprio receio que os profissionais de saúde possuem diante de novos recursos que surgem todos os anos. Ferramentas inovadoras exigem um período de adaptação para entendê-las e usufruir o que elas podem oferecer de melhor. Até lá, é natural surgirem problemas que o médico não está acostumado a resolver. Portanto, ele precisa estar disposto a enfrentar essas dificuldades se quiser, de fato, “digitalizar” e melhorar a gestão de seu consultório.

A primeira mudança necessária é a eliminação do papel, deixando que todos os documentos sejam digitais e possibilitando seu acesso na nuvem. Para isso, procure soluções que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), por possuírem integração com certificados digitais. Receitas, prontuários, formulários e demais documentos terão apenas a versão digital.

Depois, é preciso utilizar essas ferramentais digitais para se aproximar de seus pacientes. Ter um site responsivo na Internet é fundamental para marcar presença na web. Contudo, o consultório deve utilizar outras ferramentas de comunicação, como o próprio prontuário eletrônico para agendar consultas online e disparar e-mails, além do trabalho em redes sociais, como WhatsApp, Facebook e Youtube.

Por mais acostumado que o médico esteja com sua rotina, atualmente ele precisa otimizar seu consultório para poder dedicar mais tempo naquilo que ele sabe fazer de melhor: atender seus pacientes com qualidade. Assim, “digitalizar” o consultório deixou de ser um artigo de luxo para se transformar em diferencial estratégico na área de saúde.

Organize sua clínica em cinco semanas

Semana 1 – Elimine os papéis do consultório

Reserve a primeira semana do ano para “digitalizar” o consultório. Hoje, vários processos podem migrar para sistemas eletrônicos, otimizando a gestão e permitindo que o médico tenha mais tempo para os pacientes. Para isso, procure soluções que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), por possuírem integração com certificados digitais. Assim, receitas, prontuários, formulários e demais documentos podem ter apenas a versão digital.

Semana 2 – Tenha um sistema financeiro dedicado

Após digitalizar os documentos, faça o mesmo com a gestão financeira do consultório na segunda semana. Não é raro encontrar médicos que preenchem manualmente planilhas no computador ou utilizam até agendas de papel para registrarem a movimentação financeira. Busque um sistema eletrônico que automatize todos os processos e, de preferência, esteja integrado com o prontuário eletrônico.

Semana 3 – Enumere todas as despesas do consultório

Com uma nova solução para a gestão financeira, utilize a terceira semana para levantar – e incluir – todas as despesas mensais do consultório no sistema eletrônico. Tudo deve ser contabilizado: salários, fornecedores, equipamentos, contas a pagar e outros custos envolvidos. Dessa forma, é possível automatizar todos os relatórios de entrada e saída de dinheiro e agilizar a tomada de decisões.

Semana 4 – Marque presença na web

Atualmente é imprescindível que o consultório esteja presente na web e nas mídias sociais. Não é difícil criar uma página na internet, mas é preciso garantir que esteja visível ao público-alvo. Conceitos como SEO (Search Engine Optimization) e navegação responsiva precisam estar na base do site do consultório. Tire a quarta semana para fazer essa revisão ou, se for o caso, criar uma página da web para a sua marca.

Semana 5 – Aproxime-se dos pacientes

Por fim, utilize a quinta e última semana para estruturar canais de comunicação do consultório com os pacientes. O próprio prontuário eletrônico pode agilizar o atendimento, permitindo o agendamento de consultas e, em alguns casos, até o pagamento das mesmas. Utilize também as redes sociais para interagir e tirar dúvidas, como Whatsapp, Facebook e canal no Youtube. Isso permite que o atendimento seja o melhor antes, durante e depois da conversa entre médico e paciente.

4 passos para sua clínica marcar presença na web

Hoje, mais da metade das residências brasileiras possuem acesso à Internet, de acordo com o IBGE, e 45% das pessoas pesquisam sobre hospitais e consultórios na web, segundo a pesquisa Bupa Health Pulse, da London School of Economics. Os números reforçam a importância de médicos, clínicas e profissionais de saúde aumentarem seu posicionamento na Internet não apenas para se comunicar com os pacientes, mas também para organizar a própria gestão das clínicas. Confira os quatro passos para garantir sua presença na web:

Visibilidade em portais de busca: não basta ter um site; é preciso garantir que ele esteja visível ao público-alvo. Para isso, é necessário estar nas primeiras posições das páginas de busca. A melhor forma para isso é investir em Links Patrocinados, um serviço que garante que os sites apareçam nas primeiras posições de uma determinada busca por palavra-chave. Isso permite, por exemplo, que o site apareça na primeira página da busca, aumentando a chance do usuário clicar e visitar.

Conformidade com normas técnicas: a publicidade médica, mesmo em sites, blogs e redes sociais, precisa seguir estritas recomendações do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Comissão de Divulgação de Assuntos Médicos (Codame). O médico não pode, por exemplo, insinuar a garantia de resultado em tratamentos em sua comunicação e até mesmo algumas expressões são vetadas. Portanto, é preciso elaborar uma forte estratégia nos seus principais canais digitais para evitar problemas futuros.

Site profissional: atualmente não é difícil criar um site sozinho, mas o médico precisa entender que a página deve estar adequada às melhores práticas de SEO (Search Engine Optimization) e também aos acessos de dispositivos móveis, como smartphones. Uma agência especializada levará esses detalhes em conta, além de garantir que o visual do site passe uma ideia de segurança, profissionalismo e confiança.

Integração com o prontuário eletrônico: o site não deve ser apenas um canal de comunicação com os pacientes, mas também deve auxiliar a gestão do consultório médico. A página precisa estar integrada com o prontuário eletrônico, permitindo que algumas ações sejam automatizadas, como o agendamento e até mesmo o pagamento de consultas. Isso permite que o médico dedique mais tempo às consultas e aos pacientes.

5 impactos do prontuário eletrônico no consultório médico

O prontuário eletrônico já é uma realidade nos consultórios médicos do Brasil: três quartos dos estabelecimentos de saúde já possuem algum tipo de sistema para registro de dados dos pacientes, de acordo com a Pesquisa TIC Saúde 2015. Contudo, são poucos os médicos que conseguem aproveitar todos os recursos dessa ferramenta tão importante: ainda segundo a mesma pesquisa, apenas 27% admitiram que a solução diminuiu a carga de trabalho. Quando bem utilizado, o prontuário eletrônico consegue transformar a rotina do consultório. Veja cinco impactos no dia-a-dia do médico:

Qualidade do atendimento: o prontuário eletrônico automatiza e agiliza procedimentos burocráticos que os médicos precisam realizar, como o registro do histórico do paciente, os documentos financeiros, as receitas, entre outros. Com uma solução tecnológica que faça esses serviços, os profissionais de saúde ficam com tempo livre para melhorarem os atendimentos aos pacientes.

Documentos digitalizados: sistemas eletrônicos que atendam aos requisitos da Certificação SBIS-CFM, com Nível de Garantia de Segurança 2 (NGS-2), podem ter integração com certificados digitais. Assim, é possível eliminar os papéis e digitalizar todos os documentos do consultório, garantindo maior rapidez na busca por dados e informações.

Segurança dos dados do paciente: com a certificação, a assinatura digital do médico ganha validade jurídica e substitui os carimbos em todos os documentos. Aliado ao prontuário eletrônico na nuvem, o médico consegue aumentar a segurança da informação devido à organização e disposição dos dados, além de eliminar falhas na comunicação devido a problemas na caligrafia dos profissionais.

Controle sobre os processos da clínica: os softwares de gestão permitem reunir em uma única plataforma todas as informações úteis para a clínica, como o histórico de paciente, exames realizados, movimentação financeira, entre outros pontos. Dessa forma, o profissional consegue ter uma visão completa do que acontece no consultório e otimiza a tomada de decisões.

Informações na palma da mão: prontuários eletrônicos hospedados na nuvem podem ser acessados por qualquer dispositivo móvel que tenha acesso à Internet, oferecendo um maior conforto aos profissionais. É ideal, por exemplo, para os médicos que participam com frequência de congressos e feiras e precisam visualizar documentos ou até acessar dados clínicos de seus pacientes durante a viagem.

Como aumentar o número de pacientes sem maiores investimentos em marketing?

Pra uma clínica se manter viva é necessário ter um bom movimento de pacientes. Além do retorno financeiro para o próprio profissional de saúde, ela precisa permitir que a rentabilidade pague o salário dos funcionários, aluguel do imóvel, manutenção, entre outros. Para que tudo isso seja possível, a busca por clientes novos se faz necessário.

Para isso, investir em marketing é uma boa estratégia, porém, nem sempre ela é barata. Isso pesa ainda mais no orçamento de quem está começando a atender ou acabou de fazer uma grande reforma no local. Por isso, separamos algumas dicas de como aumentar o número de pacientes sem maiores investimentos em marketing. Confira:

Redes sociais

Ter um perfil nas redes sociais e participar de grupos de saúde, ajuda médica, entre outros, é uma maneira de se fazer presente para os possíveis pacientes. Colaborar com informações em um fórum ou um grupo do Facebook é de graça e faz com que as pessoas saibam da existência do profissional em determinado município.

Tenha uma página no Facebook

Antes de mais nada, leia normas e limitações impostas pelo Conselho Federal da sua profissão sobre como usar a internet da forma correta para divulgação. Depois, caso seja permitido, crie uma página no Facebook dando dicas de saúde, falando sobre doenças atuais, dando informações sobre temas do momento, como Ebola, e convide as pessoas para curtirem. A rede social é uma ótima maneira de divulgar sua cínica sem gastar.

Dê entrevistas

Há diversas pessoas escrevendo sobre saúde em sites e revistas e, muitas vezes, elas procuram um profissional da área para ser entrevistado. Esteja disponível para dar entrevistas. Essa é uma maneira gratuita do seu nome ser conhecido pelos leitores e de estar presente no mundo virtual. Como consequência, certamente você ganhará novos pacientes. O site “Ajude um repórter” permite essa interação entre jornalistas e demais profissionais gratuitamente.

Esteja presente na vida do seu paciente

O boca a boca é essencial para conquistar novos clientes e isso só acontece se você tratar bem dos seus pacientes atuais. Por isso, zele pelo bom atendimento, tanto seu quanto dos seus funcionários. Além disso, use de delicadezas como um cartão de Natal enviado para cada um ou até votos de feliz aniversário feito por e-mail. É uma forma simples de se fazer lembrado e conquistar os pacientes. Para isso, um sistema de gestão eficiente é necessário.

“Brindes”

Um calendário de mesa dado no final do ano ou um chaveiro ou caneta da clínica oferecido aos pacientes é uma maneira econômica e interessante de ter o nome e telefone da sua clínica sempre por perto. O gasto é pequeno, mas o retorno é garantido. Afinal, a pessoa é tanto atraída pela delicadeza da clínica quanto terá o numero sempre à mão, quando precisar.

Você já realiza algum trabalho assim em sua clínica? Conte pra gente nos comentários.